Pular para o conteúdo principal

Câmara aprova projeto de lei que só faz sentido em uma teocracia

Projeto de lei de deputado evangélico proíbe alteração no texto da Bíblia  

A Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que coloca o Estado brasileiro com guardião das escrituras sagradas dos cristãos, a Bíblia, como se o país fosse uma teocracia, não laico.

O Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) obteve no dia 23 de novembro, em votação simbólica, aprovação para o seu projeto que proíbe alterações nos textos bíblicos.

O único parágrafo da proposta de lei é genérico, não especifica qual a versão da Bíblia não pode ser modificadas, nem estabelece punição ao “criminoso” que o fizer.

O deputado Tiago Mitraud (Novo/MG) reagiu ao projeto afirmando que o Estado não deve interferir em questões da Igreja. "O Estado laico não pode dizer 'essa é a Bíblia que vale e essas outras não."

Pastor Isidório tem
 conseguido apoio para
 seu fanatismo

O deputado Isidório é, obviamente, um fanático religioso.

Em 2013, ele afirmou que já tinha sido gay e que evitava ficar muito tempo perto de homens para não ter recaída — “a carne é fraca.” Tornou-se um militante da homofobia.

No ano seguinte, Isidório afirmou que Deus estava castigando Estado de São Paulo com uma rigorosa seca por causa da realização da Parada Gay, uma das maiores do mundo.

O sargento é, na verdade, capitão da PM. Ele se aposentou como 1º tenente e obteve uma promoção mesmo não estando na ativa.

O projeto de lei será submetido ao Senado, onde deverá ser rejeitado. Se passar nessa instância, o Supremo Tribunal Federal, se provocado, o declarará inconstitucional.

Isidoro é folclórico, mas tem de ser levado a sério por quem zela pelo Estado laico, porque ele consegue apoio de seus colegas deputados, por mais malucas que suas propostas sejam.

Em março de 2022, líderes e ex-líderes de 16 partidos, inclusive do PT, aprovaram caráter de urgência a um projeto de lei do Pastor Isidoro que criminalizava o uso da palavras "Bíblia" e "Bíblia sagrada" fora do contexto religioso, com pena de prisão.

Na época, editorial da Folha chamou a iniciativa de "estapafúrdia", destacando que, para o Estado brasileiro, o livro sagrado é a Constituição.

Com informação da Câmara dos Deputados, da Folha de S.Paulo e de outras fontes e foto de divulgação.

• Religiosos não entendem que Estado laico beneficia a todos

• Estado laico no Brasil só existe no papel, afirma professora



Comentários

AspenBH disse…
Enquanto nós chafurdamos cada vez mais no lodaçal da fé, populações civilizadas se distanciam dessa imundície. Creio que isso tenha a ver com falta de um Estado do Bem-estar Social na região. Quando há solidariedade coletiva e redes de amparo social para os mais pobres, ninguém precisa recorrer desesperado a amigos imaginários no céu. Por outro lado, quando o cidadão está entregue à sua própria sorte, o medo de ficar desamparado é tamanho que ele tende a procurar um falso amparo em comunidades religiosas. Quanto mais o neoliberalismo e o Estado Mínimo se espalham, maior o nível de religiosidade.

Less than half of England and Wales population Christian, Census 2021 shows
https://www.bbc.com/news/uk-63792408

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Marceneiro exigia obediência bíblica de filhas para estuprá-las

Moças afirmam que o pai usava a Bíblia para persuadi-las Duas jovens — uma de 16 anos e outra de 18 — de Cariacica (ES) acusam o seu pai, um marceneiro, de abusar sexualmente delas com o argumento de que a Bíblia exige dos filhos obediência aos pais, que é uma lei de Deus. Vários trechos bíblicos se referem a essa obediência, como em Colossenses 3:20: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor". Cariacica tem mais de 340 mil habitantes e fica a 15 km de Vitória. A mulher do marceneiro o denunciou à polícia, e ele negou a violência. Mas as jovens relataram em detalhes os abusos que vinham ocorrendo havia seis meses. Inicialmente, uma não sabia que a outra era vítima de igual violência. Os relatos das jovens são parecidos entre si. O estupro se dava na casa deles, no segundo andar, geralmente após o marceneiro lembrar que a Bíblia diz que os filhos têm de fazer tudo que os pais mandam. A mãe ficou sabendo da violência no sábado, dia 1

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao