Pular para o conteúdo principal

Monge reconhece que ódio em nome de Deus é o mais feroz

O religioso comenta ataque ao escritor Salman Rushdie

ENZO BIANCHI
monge italiano

Após a tentativa de assassinato de Salman Rushdie, ainda não sabemos a matriz desse terrível gesto, e não sabemos as razões precisas pelas quais o assassino, um jovem de origem libanesa, pode ter decidido subir ao palco para atingir aquele que estava prestes a proferir uma palestra no âmbito de um festival literário.

Sabemos bem que uma recompensa de três milhões de dólares estava sobre Salman, uma fatwa emitida pela autoridade político-religiosa do Irã, confirmada e renovada por Khomeini. Por quê?

Todos nos lembramos disso: Salman, escritor consagrado, publica um romance que se refere a alguns testemunhos sobre a vida de Maomé sujeita a tentações e um pacto com a idolatria que desmente seu proclamado monoteísmo.

O livro é considerado blasfemo em relação ao Profeta e, portanto, banido do Irã, e Khomeini lança aos muçulmanos o convite para matá-lo com a promessa de um pagamento de três milhões de dólares.

Desde então, a vida de Salman — como evidenciado pelo atentado a dois de seus tradutores e um de seus editores — tem sido uma vida a ser protegida: após uma fuga da Índia, Salman se refugia nos EUA, onde acredita estar bastante seguro, mas esse último evento mostra que a fatwa não foi esquecida. Um jovem sente-se autorizado a fazer justiça, a vingar a ofensa contra o Profeta a ponto de cometer o gesto de tentativa de homicídio.

É claro que nós ainda não tomamos plenamente consciência do poder violento da ideologia religiosa: hoje as religiões se encontram, fazem pactos e alianças num clima de diálogo e de paz, mas nunca deveríamos esquecer o potencial de violência que se aninha dentro delas, que não é fácil de identificar e que sempre pode reaparecer.

E isso deve ser dito de todas as religiões, porque mesmo o que acontece entre a Rússia e a Ucrânia muitas vezes traz à tona um fundamentalismo religioso, desta vez cristão, que depois passa a se expressar naquele fanatismo que abençoa canhões e mísseis em nome de Deus, amaldiçoa o inimigo e se entrega a uma barbárie que repudia toda a humanidade!

Quando a religião se torna política, quando ocorre essa mistura entre religião e ideologia de matriz nacionalista ou com pretensões culturais e morais, então se impõe a epifania da violência.

E deve-se lembrar que se os humanos sabem ser maus, os homens religiosos sabem ser muito mais, porque pensam que seu ódio seja autorizado por Deus e, portanto, não colocam freio à violência com a razão humana. 

Em todas as religiões, infelizmente, há homens que, em nome de sua própria autoridade religiosa, se arrogam o direito de condenar alguém, de expulsá-lo até destruir sua existência, e se pudessem chegariam até a mata-lo para não serem perturbados e contestados no exercício de seu poder e de seu domínio sagrado.

A Santa Inquisição

Com toda a probabilidade, esse jovem estadunidense de origem libanesa não obedeceu a um plano preciso, confiado a ele por alguém, mas sentiu-se obrigado por emulação a vingar o Profeta, a pôr remédio ao que os líderes religiosos haviam definido como "uma ofensa irreparável”.

Sim, aqui não se trata de acusar o Islã de intolerância e de violência, mas de exercer um discernimento para chegar a um entendimento sobre as religiões: nelas pode se albergar o germe de "Deus conosco!", da defesa inclusive violenta de uma verdade que ofusca até cegar, de uma verdade que quem acredita possuí-la quer honrar mesmo com a violência.

> Esse artigo foi publicado originalmente sem a ilustração acima no jornal italiano La Stampa com o título "O ódio em nome de Deus é o mais feroz". A tradução é de Luisa Rabolini para IHU Online.





Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal