Pular para o conteúdo principal

Ainda se paga o preço de a Inquisição ter queimado Giordano Bruno

Filósofo morreu por insistir que a Terra não está no centro do universo e que os humanos não são privilegiados

VITO MANCUSO / teólogo
La Stampa,

O aniversário do padre dos "mundos infinitos" nos oferece a oportunidade de repensar a sinergia de todos os conhecimentos.

No início de 1599, o cardeal Roberto Bellarmino, então jesuíta e inquisidor, hoje santo e doutor da Igreja, ofereceu a Giordano Bruno a possibilidade de salvar sua vida. A condição? Abjurar oito proposições tiradas de suas obras. 

Há oito anos preso no cárcere da Inquisição, o filósofo a princípio pareceu aceitar, mas depois recusou e foi queimado vivo. A fogueira foi realizada em Roma, no Campo de Fiori, em 17 de fevereiro de 1600. Por que Bruno não abjurou?

Dezessete anos antes, descrevendo seu pensamento para uma certa senhora Morgana B., ele havia declarado: "Com esta filosofia minha alma se engrandece e meu intelecto se magnifica". 

Ele tinha uma filosofia que engrandecia a alma e magnificava o intelecto, e quando o pensamento é verdadeiro, verdadeiro não no sentido de exato, mas no sentido de autêntico, ou seja, profundamente enraizado na existência, transforma a vida. E se recusou abjurar, foi porque se manifestou a força de sua filosofia que lhe fortaleceu a alma e magnificou o intelecto, capacitando-o a enfrentar a morte com dignidade e coragem, como testemunham as crônicas da época.

Ainda hoje todos nós pagamos as consequências daquela fogueira, a que se deve acrescentar a abjuração a que Galileu foi obrigado trinta e três anos depois para evitar o mesmo fim de Bruno.

A Itália, naquela época centro da cultura humanista e científica, iniciou a involução que todos conhecemos. A pesquisa científica, que até então estava em harmonia com a fé e a espiritualidade (Copérnico, Galileu, Kepler, Newton, protagonistas da revolução científica, eram crentes) começou a se desvincular da religião e hoje os cientistas são na maioria ateus. 

O mesmo vale para a filosofia: os maiores filósofos da modernidade eram crentes, obviamente cada um à sua maneira, basta pensar em Descartes, Pascal, Locke, Vico, Kant, Fichte, Schelling, Hegel, mas hoje a maioria compartilha a afirmação atribuída a Schopenhauer: "Ou se pensa ou se acredita".

E no que diz respeito à espiritualidade, resultou a situação assim descrita por Spinoza algumas décadas depois da fogueira de Bruno: "Para a pessoa comum, religião significa prestar a mais alta honra ao clero". 

Aquele "clericalismo", que hoje o papa Francisco indica como o mal maior da Igreja, não cai da lua, mas surge como uma consequência lógica da história.

Belarmino era jesuíta e o fundador dos jesuítas, Santo Inácio de Loyola, ao final dos Exercícios Espirituais, adverte: “Para em tudo acertar, devemos estar sempre dispostos a que o branco, que eu vejo, acreditar que é negro, se a Igreja hierárquica assim o determina.” (Exercícios Espirituais, n. 365, décima terceira regra). 

Bruno não cedeu às
pressões da Igreja 

Esta Igreja hierárquica que durante séculos ensinou a amar a si mesma mais do que a verdade, que quis proteger o seu poder acima de tudo e por isso queimava as pessoas que questionavam a doutrina, expressa da forma mais evidente a negação do ensinamento de Jesus de que "o sábado é para o homem e não o homem para o sábado".

Karl Barth, um dos maiores teólogos do século XX, escreveu: "A Igreja crucificou Cristo".

Obviamente ele não se referia à Igreja histórica, mas à instituição que suprime a liberdade de consciência, que (seja ela chamada igreja, sinagoga, partido ou de outras maneiras) é sempre a mesma e por isso pode-se dizer que a instituição que queimou vivo Giordano Bruno é a mesma que quinze séculos antes tinha feito crucificar Jesus pelo poder romano, assim como é a mesma que ao longo da história condenou, aprisionou e eventualmente matou místicos e espirituais (entre os quais Marguerite Porete, Meister Eckhart, Jan Hus, Michele Serveto, Giulio Cesare Vanini) e que no século XX perseguiu grandes profetas como padre Romolo Murri, Padre Ernesto Buonaiuti, Padre Turoldo, Padre Balducci, padre Milani, padre Mazzolari, padre Arturo Paoli, para me limitar a alguns italianos.

Acredito que a praga purulenta da pedofilia do clero, que aflige a Igreja em todo o mundo, tem muito a ver com a ditadura intelectual a que submete seus membros, exercendo uma repressão sobre a mente que, assim, não chega àquela maioridade símbolo do Iluminismo descrita por Kant, e assim permanece intimamente infantil, e busca precisamente quem ainda não é adulto. O mesmo vale para as omissões de denúncia às autoridades policiais de padres pedófilos por seus respectivos bispos, sobretudo preocupados em proteger a honra da Igreja hierárquica.

Giordano Bruno, intérprete radical de Copérnico, rejeitava o geocentrismo e o antropocentrismo tradicionais, argumentando que a Terra não está no centro do universo e que os seres humanos não são privilegiados, mas compartilham com todos os outros seres vivos a condição que ele denomina de “mutação segundo vicissitude do todo". 

Em tal universo infinito e sem centro, em que ninguém ocupa uma posição privilegiada e que toda coisa muda segundo vicissitudes incontroladas, trata-se de encontrar uma orientação na vida e isso pode ser feito conectando-se com o divino.

Este era o objetivo da filosofia de Bruno: "Meu primeiro e principal, intermediário e acessório, último e final intento nessa tecelagem foi e é chegar à contemplação divina". 

Esta contemplação é obtida através de um estado interior particular que ele chamou de "furor", "heroicos furores". Para ele, de fato, entre natureza e divindade não havia nenhuma separação; pelo contrário, considerava que “a luz divina está sempre presente; sempre é oferecida, sempre chama e bate às portas de nossos sentidos e outros poderes cognitivos e de entendimento”. 

Trata-se apenas de abrir-se à plenitude da vida e, quando a razão se une à esfera emotiva e sentimental, tem-se a condição privilegiada chamada justamente de furor.

Valem para ele as palavras de Albert Einstein: “Grandes espíritos religiosos de todos os tempos se distinguiram por esse tipo de sentimento religioso que não conhece nem dogmas nem um Deus concebido à imagem do homem ... é justamente entre os hereges de toda época que encontramos homens carregados do mais alto sentimento religioso”.

Os nossos dias têm uma enorme necessidade de redescobrir uma espiritualidade à altura dos nossos tempos, que só poderá nascer no diálogo com a ciência e a filosofia, restituindo assim à mente aquela harmonia e aquela confiança sem as quais ela se torna árida e se transforma em uma asséptica e ávida calculadora. Para isso, porém, deve desaparecer o dogmatismo e deve primar o amor incondicional e humilde na busca da verdade, que ninguém possui porque é sempre maior e da qual todos precisam.

Entre a Praça São Pedro e o Campo de Fiori há menos de três quilômetros. Quando um papa tiver realizado esses três mil passos indo homenagear a memória de um ex frade dominicano que foi queimado vivo por um de seus predecessores, então talvez surjam as condições para a espiritualidade de que o nosso tempo e especialmente os nossos jovens têm urgente necessidade.

> Esse artigo foi publicado originalmente sob o título Giordano Bruno, as fogueiras da alma, o furor da ciência. A tradução é de Luisa Rabolini.

Meta da militância ateísta é libertar homem do sobrenatural




Comentários

Determinados cientistas eram crentes, não é possível saber se por medo (represálias), ou por apenas serem bons em certas áreas "não incomodantes", mas nunca questionar no geral e até quererem "cientificamente", validar Deus e afins do sobrenatural (como "vida após a morte"). Logicamente nunca seriam perseguidos.
Uma pessoa de fé não cede ao Ceticismo, ao menos na fé específica que tem. Até pode querer "validar" Deus, p.ex, "cientificamente". E comum ter dissonancia cognitiva.
A ICAR (e outras igrejas, pois houve a Inquisição Protestante...) jamais perseguiria cientistas crédulos. Bons em muitas áreas uteis ao PODER. Conhecimento para construções mais econômicas e poderem ser mais fabulosas - grandes catedrais etc. Produção de armas, meios de produzir melhor e tudo que for conveniente. E inúmeros etcéteras que não ao menos atrapalhem a Igreja. É mentira que "perseguiam indistintamente". É só os que questionavam, não só a Igreja, mas Deus, valores diversos, especificidades das pessoas no que são etc "contrários a fé".

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C