Ser cético é uma questão sobretudo de ter honestidade intelectual

> JAMES A. HAUGHT
Freedom From Religion Foundation

Ninguém sabe realmente de onde vêm as crenças. Os psicólogos não conseguem explicar o que torna algumas pessoas céticas e outras, crentes. Portanto, não sei o que me levou a duvidar, enquanto alguns de meus colegas de classe até se tornaram pregadores. Tudo que sei é minha própria história.

Nasci em 1932 em uma pequena cidade rural da Virgínia Ocidental que não tinha eletricidade ou ruas asfaltadas. Fui enviado para as escolas dominicais do Bible Belt e tentei orar quando criança. Mas um despertar ocorreu na minha adolescência. 

Na aula de química do colégio, aprendi como lacunas e excedentes nas camadas externas de elétrons fazem com que os átomos se liguem em moléculas, formando quase tudo em nosso mundo. Foi uma revelação que explica muito da existência. 

A ciência se tornou uma obsessão, um portal para a compreensão da realidade. Lentamente, as reivindicações da religião de deuses, demônios, céus, infernos, anjos, demônios, milagres e messias invisíveis transformaram-se em minha mente em contos de fadas.

Por acaso, tive a sorte de conseguir um emprego no jornal - e meu mundo se expandiu. Com um editor que ria das pregações de evangelistas, debati religião. 

Concordei que afirmações religiosas sobrenaturais eram bobagens - mas eu tinha um dilema: se as explicações mágicas são absurdas, que melhores respostas existem? O que uma pessoa honesta pode dizer? Ele me olhou atentamente e respondeu: “Você pode dizer: eu não sei”. Bingo! 

Imediatamente, um caminho de honestidade se abriu para mim. Eu me juntei a um grupo de céticos, li livros de física e filosofia e cimentei uma visão de mundo científica.

Encontrei razões lógicas para pensar que as pessoas deveriam rejeitar dogmas:

- Ocorrências horríveis, como o tsunami no Oceano Índico em 2004, que afogou inúmeras crianças, provam claramente que o universo não é administrado por um pai amoroso. Nenhum criador compassivo planejaria tais coisas. Em filosofia, esse dilema é chamado de Problema do Mal. Não refuta a existência de um deus sem coração, mas elimina o deus misericordioso das igrejas.

- Centenas de deuses e religiões do passado desapareceram e são risíveis hoje. As divindades de hoje são mais substanciais?

- Embora as igrejas afirmem que a religião torna os crentes amorosos e fraternos, o registro histórico frequentemente mostra exatamente o oposto.

- Muitos dos pensadores mais brilhantes ao longo da história têm sido céticos. Se as melhores mentes não conseguiam engolir os princípios sobrenaturais, por que deveríamos?

- O pensamento científico requer evidências detectáveis ​​e testáveis. Mas a religião não oferece nenhuma prova, exceto escritos deixados por homens santos mortos há muito tempo. Pessoas que buscam o conhecimento precisam de algo mais tangível.

- Apesar da suposição comum de que os líderes religiosos são mais morais do que as pessoas comuns, um número terrível deles não o é. Não há nenhuma evidência de que a religião os torna mais santos do que você.

- Mesmo os crentes devotos são céticos sobre os dogmas de outras religiões. Por exemplo, os judeus duvidam que Jesus fosse divino. Os cristãos duvidam que Jesus apareceu ao Mestre Moon e disse a ele para converter todas as pessoas para serem "Moonies". E os muçulmanos duvidam que Jesus tenha vindo para a América pré-histórica, como afirmam os mórmons.

As crenças religiosas dependem muito da demografia. Uma pessoa nascida em uma terra muçulmana, em uma família muçulmana, dificilmente se tornará hindu, budista, judeu ou cristão. O mesmo padrão se aplica a outras terras e outras famílias. A fé depende principalmente de onde você nasceu.

E os avanços na educação e no conhecimento científico fazem com que as crenças sobrenaturais desapareçam. A religião já foi tão importante para os europeus que eles mataram milhões de pessoas por causa dela. Mas desde o Iluminismo e o surgimento do pensamento científico, a religião praticamente desapareceu na Europa.

Ao longo dos anos, expus essas premissas em livros e ensaios de revistas. Até criei um romance de pensamento livre focado em absurdos religiosos na Grécia antiga.

Para mim, o resultado final é a honestidade. Uma pessoa íntegra não afirma saber coisas sobrenaturais que não pode saber. Uma pessoa honesta deseja evidências sólidas para apoiar afirmações e desconfia de afirmações infundadas. Portanto, os céticos são os mais honestos de todos.

Explicação da
ciência é sempre
plausível, mas não
engana ninguém

> James A. Haught é jornalista e membro da FFRF (Freedom From Religion Foundation), organização sem fins lucrativos que se dedica à defesa da separação entre o Estado e a Igreja.