Religião é o principal elemento da base social da extrema-direita global

> ROBSON SÁVIO REIS SOUZA
coordenador do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC Minas

A extrema-direita global desfruta de símbolos do cristianismo para formar uma "milícia religiosa", a reeditar a guerra do bem contra o mal. No caso, o bem seria tudo aquilo associado ao pensamento conservador (religião, família tradicional, propriedade privada, meritocracia, precedência do individual sobre o público). 

O mal, por sua vez, está associado à modernidade, ciência, feminismo, esquerdismo, luta de classe, estado social, etc...).

Montada, como numa cruzada religiosa, em tradições da "família conservadora", a extrema-direita une líderes como Bolsonaro; extremistas norte-americanos, incluindo grupos supremacistas (e lideranças religiosas evangélicas e católicas, até mesmo junto ao episcopado); Viktor Orban (Hungria); Vladimir Putin (que se aliou à Igreja Católica Ortodoxa Russa); Le Pen (França); extremistas da Espanha, Inglaterra e até neonazistas alemães.

No Brasil, além de lideranças evangélicas neopentecostais (principalmente das grandes igrejas midiáticas — muitas delas verdadeiras empresas religiosas), a extrema-direita goza de prestígio junto a membros do clero e do episcopado católicos, vários padres midiáticos, instituições religiosas (algumas midiáticas), youtubers famosos e uma bancada de ultraconservadores no Parlamento (de câmaras de vereadores ao Congresso Nacional).

Essa aliança une o conservadorismo religioso, o poder político ancorado no militarismo no caso esse governo militarizado — que se vangloria na defesa de moralismos à la Olavo de Carvalho) e no poder econômico alicerçado no ultraliberalismo (à la Paulo Guedes e figuras esdrúxulas, do tipo o Véio das megalojas de produtos variados, Wizzard e outros negociantes que, segundo dizem, para alcançarem o sucesso individual e privado vendem até a mãe).

Portanto, a base social que agrega essa massa difusa precisa de um discurso moralista, cristão, conservador para manter mobilizada uma legião religiosa que tem em líderes carismáticos radicais, como Bolsonaro, Putin e outros, e para defender radicalmente uma visão salvacionista e redentora do mundo.

Uma recristianização global, que é a base da Teologia do Domínio presente nos discursos desses grupos religiosos (a crença segundo o qual a religião deve dominar o poder político, a cultura, a educação, as artes, os comportamentos...).

A religião é o principal elemento de constituição dessa base social da extrema-direita global. Mas são o militarismo e ultraliberismo que caracterizam o domínio do poder estatal (da extrema-direita) em níveis nacionais, com intentos globais. Não por coincidência, governos teocráticos, militares e ultraliberais são formas distintas de autoritarismos.

Por isso, na ausência momentânea de Trump, Bolsonaro é um dos candidatos à liderança da extrema-direita global conforme ficou claro na visita de uma liderança neonazista alemã ao presidente brasileiro nesta semana.

Uma observação final: o papa Francisco é a principal liderança global no enfrentamento à extrema-direita. Por isso, é tão perseguido, inclusive dentro da Igreja Católica. Estima-se, por exemplo, que dos 240 bispos norte-americanos, somente uns 40 apoiam explicitamente Francisco. 

Não ouso afirmar sobre a situação no Brasil. Mas certamente o apoio do episcopado brasileiro ao papa Francisco é bem maior e mais explícito. Vide manifestações da CNBB nos últimos tempos.

> Esse texto foi publicado originalmente no IHU Online como o título Extrema direita: religião, militarismo e neoliberalismo. O autor é pós-doutor em direitos humanos, doutor em ciências sociais e professor do departamento de ciência da religião da PUC Minas.

Igreja e extrema-direita promovem nova caça às bruxas, denuncia filósofa italiana



Fundamentalismo cristão ameaça a democracia brasileira, diz reverenda


Comentários

  1. E o que significaria exatamente esse termo fluido e subjetivo que denomina de "extrema-direita"? Por exemplo, ser contra legalização de drogas, legalização de aborto, teoria queer para crianças é ser de extrema-direita? Para mim, esses rótulos hoje em dia são extremamente vazios de significância no discurso público, pois quem não concorda com o mainstream é logo taxado de fascista, reacionário, etc. E quem adota tal narrativa vira um queridinho, um auto-proclamado "progressista", ainda que o que essa pessoa defenda, na prática, não trará nenhuma melhoria para a coletividade, sendo algo que apenas a bolha acha crível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, os rótulos de "Direita" e "Esquerda" tecnicamente se perderam há tempos, mas os extremismos continuam válidos. Adotando apenas o "senso comum" da "Direita" ou "Esquerda".
      E "ser contra legalização de drogas, legalização de aborto, teoria queer para crianças é ser de extrema-direita?", aí apenas demonstra intolerância e costuma ser associada a extrema-Direita geralmente, embora hajam de extema-Esquerda assim também. E outros preconceituosos "independentes"... Religião, ah, ela como quase sempre, está no meio disso tudo.
      -- Aborto: um direito fundamental da mulher, violado pela Lei, salvo em casos específicos que é legalizado. O pior que esses intolerantes de extrema-direita querem remover até em casos de estupro etc garantidos legalmente.
      -- "Teoria queer": dizer a respeito as pessoas LGBT+ e no que são, e nisso nem há idade, é para todos e deve começar desde cedo. É outra situação fundamental em Direitos Humanos. É dizer de pessoas assim e no que são, nada com "sexo" (ato sexual). Este último que seria em idade oportuna, detalhes sobre o próprio corpo, prevenção contra IST, abusos etc. Os intolerantes ficam no reducionismo que LGBT+ é sobre "sexo".
      Direitos Humanos é algo que deveria ser defendidos por todos, mas religiosos em geral são contra, em particular contra LGBTs, situações de gẽnero, mulheres e laicidade.
      .
      -- Legalização das drogas: ai sim é complicado, envolve saúde, crime etc. A pessoa quando adulta APTA, se quer consumir, que o faça, mas a idade "a partir de" deveria ser entre 23..25 anos, o fim da adolescência. Além das proibições com penalidades mais severas em conduzir veículos, profissões, fornecer para menores etc. A proibição irrestrita só deu força ao narcotráfico e todo o esquema (gigantesco e internacional!) de corrupção envolvido. Melhor investir na Educação e qualidade de vida em geral para reduzir o consumo em vez de proibição, exceto para menores que devem ser proibidos mesmo, sem esquecer do restante de qualidade de vida etc para eles.
      A tal "guerra às drogas" já nasceu perdida.
      Bom conhecer o experimento "Parque dos Ratos" sobre a "dependência" química.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Artista gospel se recusa a cantar em casamento de amigo gay

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Historiadora diz que Moisés não existiu. E sofre ameaças de morte