Pular para o conteúdo principal

Liberação de cultos no auge das mortes pela Covid-19 mostra que Nunes é terrivelmente bolsonarista

> PAULO LOPES
jornalista

A decisão de Nunes Marques de autorizar a celebração de cultos e missa no auge das mortes pela Covid-19 mostra que o ministro do STF é terrivelmente bolsonarista.

O próprio Supremo já decidira que cabem aos Estados e municípios tomar as decisões sobre restrições de controle da transmissão do coronavírus, o que faz sentido, porque o contágio não é igual em todas as regiões nem os recursos hospitalares.

A atitude transloucada de Nunes deverá ser anulada nos próximos dias, e o próprio ministro sabe disso, mas ele, ainda assim, atingirá o seu objetivo: agradar Bolsonaro, que o indicou para o Supremo.

Nunes concedeu a medida liminar em atenção a uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental proposta pela Anajure (Associação Nacional de Juristas Evangélicos). Só que tem um detalhe: a associação não possui representatividade para tanto, conforme decisão do Supremo em fevereiro de 2021.

Nunes chegou ao Supremo com a fama de ser defensor do Estado laico. Talvez tenha sido um dia, mas deixou de sê-lo, para se tornar em um cruel aliado da expansão do coronavírus e da morte.

O posicionamento da Anajure é insustentável sob qualquer perspectiva, inclusive o religioso.

Se Deus está em todos os lugares, por que igrejas evangélicas fazem tanta questão de celebrar cultos, de aglomerar as pessoas, de favorecer o coronavírus?

Porque elas querem manter o fluxo da arrecadação do dízimo, aproveitando-se de uma situação de desespero das pessoas por causa da morte de parentes e da falta de dinheiro para o gasto básico, para comida, por exemplo.

O desprezo que um ministro do Supremo demonstrou pela autonomia das unidades da federação para administrar a pior crise sanitária da história do Brasil, com pessoas morrendo como moscas, serve como mais um aviso sobre o quanto o bolsonarismo é capaz. E que, por isso mesmo, a imposição constitucional do Estado laico não pode ser negligenciada.

Comentários

  1. E ainda tem a pachorra de falar que é contra o aborto por ser defensor da vida, kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Nõa é só a situação de arrecadação. É haver o evento FÍSICO, que dá um enorme poder em "gadização". O efeito psicológico do grupo e fazer parte dele, mesmo sendo um ser adestrado, aliás, os adestrados acabam curtindo o adestamento e a manutenção do mesmo.
    Certamente muitos crédulos nessa da pandemia, se não largaram as crenças de vez, passaram a adotar uma postura menos fanática ou mesmo ter migrado para aquelas mais brandas e que não ficam muito criticando, condenando etc ninguém.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Associação Humanista Americana retira prêmio de Dawkins por ele questionar pessoas trans

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Governo de Angola suspende as transmissões da TV Record