Pular para o conteúdo principal

Governo do Sudão livra-se da teocracia islâmica e se torna Estado laico

O governo de transição do Sudão adotou o princípio do Estado laico, após 30 anos de domínio islâmico.

O primeiro-ministro Abdalla Hamdok e Abdel-Aziz al-Hilu, líder do grupo rebelde do Movimento de Libertação do Povo do Sudão-Norte, assinaram um documento que separa o Estado da Igreja.

O Exército do Sudão derrubou em 11 de abril de 2019 o presidente Omar al-Bashir, que tinha tomado o poder em 1989 prometendo tornar o país “a vanguarda do mundo islâmico”. O país foi um exportador de terroristas.

Ao norte do continente africano, a República do Sudão tem cerca de 40 milhões de pessoas e a capital é Cartum. Os idiomas oficiais são o árabe e o inglês.

A situação política é muito instável na região. O Sudão tem sido marcado por guerras de etnias. A separação do país, com a criação do Sudão do Sul, faz parte desse contexto.

O documento assinado na quarta-feira ressalta que, “para que o Sudão se torne um país democrático onde os direitos de todos os cidadãos são consagrados, a Constituição deve ser baseada no princípio de 'separação de religião e estado', na ausência do qual o direito à autodeterminação deve ser respeitado”.

Depois de tanto tempo de teocracia islâmica, os sudaneses deixarão de ser condenados à morte por apostasia.

Não há açoites públicos, a mutilação genital foi proibida e as mulheres podem viajar sozinhas, não precisando mais a permissão do marido ou filhos.





Com informação do Bloomberg e de outras fontes.


Livro conta historia da mulher de Maomé que tinha 9 anos

Veja por que Maomé matou 25 de suas centenas de vítimas

Islã condena a idolatria, mas idolatra o profeta Maomé

Livro dinamarquês conta a 'vida sexual malsucedida de Maomé'

Comentários

Anônimo disse…
Deu o primeiro passo para o progresso.

Posts + acessados hoje

Vídeo mostra que filho de Testemunhas de Jeová já discrimina colega da escola

Justiça de Angola determina o fechamento de todos os templos da Igreja Universal

Maitê recupera pensão de solteira apesar de união com empresário