Pular para o conteúdo principal

Morre de Covid-19 pastor de Camarões que afirmava curar a doença

O pastor em Camarões, na África Central, Frankline Ndifor morreu de Covid-19 uma semana depois de começar a apresentar sintomas da doença.

Ele vinha pregando ter o poder de cura da nova doença, por intermédio de orações, mas, quando suas dificuldades respiratórias pioraram, membros Igreja Ministerial Internacional de Ndifor chamaram médicos.

Não houve tempo para tratamento, e o pastor morreu após 10 minutos de ter começado a consulta.


Popular, Ndifor foi candidato na mais recente eleição presidencial, em 2018.

As autoridades sanitárias da cidade de Douala tiveram dificuldade de acesso ao corpo para poder enterrá-lo.

Devotos bloquearam as entradas da casa de Ndifor porque acreditavam que o pastor ia ressuscitar.

A polícia teve de pedir reforço para proteger a equipe médica.

O corpo de Ndifor foi sepultado no dia 16 de maio defronte a sua residência.

Para alguns seguidores, o pastor está fazendo um retiro espiritual com Deus e logo voltará para a Terra. 

MILAGREIRO
NÃO SALVOU 
A SI PRÓPRIO


Com informação do Voa News e outras fontes.




Valdemiro quer obter R$ 20 mi com venda de tijolinhos de Deus

Apóstolo da Renascer lança perfume 'Inesquecível'

Perua gospel afirma que quem usa sua grife é ‘escolhida por Deus’

Pastor que se veste de mendigo em culto tem Porsche e Ferrari




Comentários

Anônimo disse…
Um casal de idosos morreu em Indaiatuba por Covid-19 em um prazo de cinco dias, neste mês. Os dois tinham mais de 70 anos. A mulher frequentava uma igreja evangélica que se manteve aberta e os líderes do templo são contra o uso de máscara de proteção dentro dos templos. O pastor da igreja em que a idosa frequentava foi confirmado também com o vírus: https://correio.rac.com.br/_conteudo/2020/05/campinas_e_rmc/940932-casal-de-idosos-morre-por-covid-19.html

Posts + acessados hoje

Vídeo mostra que filho de Testemunhas de Jeová já discrimina colega da escola

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Carta aberta de um ateu a Damares Alves: 'Não mexa com a minha Netflix'