Cientista aconselha os ateus a terem mais filhos para aumentar a militância

O físico argentino Alberto Clemente de La Torre aconselha os ateus a terem mais filhos para obterem “militância nova e de maneira agradável”.

Ele fez essa afirmação ao ser indagado por um jornalista sobre uma pesquisa segundo a qual os religiosos têm mais filhos, em obediência a seus textos sagrados.

O cientista defende maior atuação dos ateus na sociedade porque, na maioria dos países, eles são ignorados, a ponto de nem sequer constarem em formulários de pesquisas de opinião pública. 


Ele cita o caso da Argentina, onde os ateus são mais numerosos que protestantes, Testemunhas de Jeová e judeus, mas são os líderes dessas religiões que têm maior visibilidade.

Aposentado como professor da Universidade Nacional de Mar del Plata, onde dava o curso “A Física de um ponto de vista humanista”, La Torre tem se dedicado às suas pesquisas no campo da física quântica e a geral.

Ele afirma que há relação direta entre o ateísmo e o avanço do conhecimento, tanto que, defende, cientistas que acreditam em divindades não aplicam corretamente o método científico. “São meio cientistas.”

Além disso, “ser ateu é mais que simplesmente negar a existência de Deus”, afirma.

Isto porque, argumenta, o ateísmo também tem como base uma ética humanística que não é imposta pelo medo ou por punição.

“Epistemologicamente, o ateísmo, por meio da ciência, confronta as verdades reveladas da religião, na busca experimental pela justiça, do bem e felicidade.”

Ao criticar os ateus que se declaram agnósticos para não terem de enfrentar pressões e preconceitos, o cientista afirmou que a fundamentação do agnosticismo é frágil.


“A opção agnóstica de negar o julgamento baseado na impossibilidade de demonstrar com absoluto rigor a existência ou não de Deus seria a mais racional se houvesse evidência igual a favor e contra a existência de Deus”, argumenta.

“Não é assim: as provas da existência de Deus são desprezíveis (e falaciosas), enquanto há infinitas provas de sua inexistência. A opção mais racional é o ateísmo, não o agnosticismo.”

Na entrevista, La Torre falou também que os ateus hoje em dia têm de superar “a frustração na luta contra o preconceito, contra a arrogância dos ignorantes, contra a irracionalidade e contra a estupidez.”

“Diante dessa frustração, o ateu nunca deve abandonar sua racionalidade, dando destaque aos seus valores éticos.”

“O melhor que podemos fazer é nos apresentar como exemplos de ética, tolerância, simpatia, alegria de viver e de pensamento crítico.”

PARA LA TORRE, NÃO SE
PODE DISSOCIAR A CIÊNCIA
DO ATEÍSMO

Com informação e ilustração do site Ciencia Del Sur.



Vice da Record alega nada saber sobre fraude em procuração

Pastor que acusa Edir de ligação com narcotráfico teme atentado

Venezuela investiga se Universal lava dinheiro do tráfico de drogas

Brasil está entre os países onde jovens são menos religiosos que os velhos




Comentários