Pular para o conteúdo principal

'Patroa' contaminada não avisa empregada doméstica, que morre de coronavírus

Mariana Simões / Agência Pública / com atualização    Miguel Pereira é um município da Grande Rio com 25 mil habitantes, conhecido por ser um lugar de descanso, de clima ameno, rios e cachoeiras de águas cristalinas e ar limpo. É ali que as crianças vão com as famílias passar as férias e que muitos idosos vivem em tranquilidade. Também dali saem diariamente centenas de trabalhadores que vão prestar serviços na capital fluminense, a 100 quilômetros de distância.

Mas Miguel Pereira ganhou as manchetes por ter sido o local que registrou a primeira morte em decorrência do coronavírus no Estado do Rio de Janeiro.

INTEGRANTE DO GRUPO DE
RISCO, A DOMÉSTICA DEU
ENTRADA NO HOSPITAL
LUIZ GONZAGA, MAS NÃO RESISTIU

A notícia foi confirmada hoje, dia 19 de março, pelo governo do Rio e pela prefeitura de Miguel Pereira. A Agência Pública esteve no local e constatou que existem mais 9 casos de suspeita de coronavírus no hospital da cidade.

A paciente que faleceu tinha 63 anos. Deixou para trás um filho de 39 anos que morava com ela e outros parentes em um bairro humilde da cidade. A rua, que não foi calçada por completo, está cercada de casinhas simples, de tijolo exposto.

“Ela era uma mulher trabalhadora. Muito querida por todos e uma boa mãe,” diz sua irmã. Nascida e criada em Miguel Pereira, ela passava quatro dias por semana dormindo no Rio de Janeiro, a mais de duas horas de casa.

Durante 20 anos, trabalhou como empregada doméstica no Leblon, bairro nobre do Rio que tem o metro quadrado mais caro do país. “A patroa não avisou para ela que achava que estava doente”, diz o irmão de 56 anos da paciente. Ele morava com ela e mais três familiares na mesma casinha de cimento de dois andares. A casa fica colada a um cemitério — o mesmo onde ela foi enterrada, na tarde de ontem.

O irmão conta que, em fevereiro, a empregadora fora passar o carnaval na Itália quando a crise do coronavírus se espalhava pelo país. Quando voltou das férias, a irmã voltou ao trabalho como de costume.

Parecia uma tragédia anunciada, em um país tão desigual. Sem orientação clara do governo federal, são inúmeros os casos como o dela, em que empregadas domésticas continuam sendo obrigadas a trabalhar em casas de família, se expondo ao risco do contágio.

Sem informação sobre exposição ao vírus, hospital não pôde agir a tempo

Segundo Sebastião Barbosa, diretor médico do Hospital Municipal Luiz Gonzaga, que tratou da vítima, “a patroa já estava de quarentena, mas a gente não sabe quando de fato chegou o resultado [positivo do teste do coronavírus] para a patroa”.

“A paciente deu entrada no hospital na segunda à noite [dia 16] e até então não tinha nenhuma informação [sobre o coronavírus]. Chegou pela Secretária de Saúde que a amostra da patroa deu positivo para coronavírus só na terça-feira [dia 17], que foi o dia do óbito,” diz ele.

Sebastião relata que a paciente reclamava de estar com um mal-estar muito forte desde sexta-feira, dia 13, mas como já era portadora de diabetes e hipertensão, os médicos procederam a exames de rotina. A princípio, detectaram apenas uma infecção urinária.

“Pedimos exame de sangue e exame de urina porque na verdade era muito indefinido o quadro dela. Ela foi internada e iniciado o antibiótico”, diz Sebastião Barbosa.

Logo em seguida, como parte do protocolo do hospital, foi pedido um Raio-X do pulmão. “Nisso ela começa a se queixar de uma falta de ar. Foi avaliado o Raio-X e se viu que tinha um padrão congestivo,” conta Sebastião.

“Na verdade, se as informações tivessem chegado mais cedo talvez a gente tivesse como mudar a história clínica”, diz o médico.

O protocolo para pacientes com suspeita de coronavírus é o encaminhamento direto para a intubação precoce. O paciente é isolado, sedado, e um ventilador mecânico é introduzido para alimentar o pulmão com oxigenação. Segundo Sebastião, por falta de informação, a vítima só foi entubada na terça-feira, dia 17, dia do seu falecimento.

SÓ SETE PESSOAS NO ENTERRO

No dia 18, o enterro aconteceu pertinho da casa da família. A rua estava vazia e silenciosa, exceto pela presença de um morador. Vestido de camisa preta de gola e calça jeans, o primo da paciente, um carpinteiro de 56 anos, levantava poeira vermelha enquanto caminhava por um trecho de terra. “Convivi pouco com ela, mas quis ir ao enterro. Tinha só sete pessoas lá”, contou à Pública. Os familiares que tinham contato direito com ela não puderam sair de casa por estar de quarentena.

Pelo telefone, a irmã de 42 anos, que é vendedora autônoma de produtos de depilação, contou que está em isolamento domiciliar na mesma casa onde moravam juntas.


“Estou sentindo muito a perda dela”, disse. Ela mora em um puxadinho no andar de cima do imóvel. A casa de dois andares é jeitosa e bem cuidada do lado de fora, com uma fachada de cimento pintada e telhas de cerâmica.

“Ela gostava de receber visita, de fazer almoço. Era muito de acolher as pessoas e de tratar todo mundo como se fosse família,” conta. Dentre os 9 irmãos, a maioria morou a vida toda naquela mesma rua. A paciente morava no andar de baixo com o irmão de 56 anos e o sobrinho. Todos, agora, estão de quarentena.

Em isolamento, a família começa a sentir preconceito por parte dos vizinhos. Um mercadinho local se recusou a oferecer os seus serviços à família. “Ligamos para pedir que fizessem a entrega porque não podemos sair de casa por estarmos de quarentena e eles estão se recusando a entregar,” conta a irmã.

Aos poucos, o medo começa a se instaurar na cidade. O assunto da primeira morte do Estado permeava as conversas nos estabelecimentos visitados pela reportagem. Os taxistas que estavam nos quatro pontos de táxi do centro não paravam de falar no motorista que foi até o Rio buscar a paciente no Leblon e levou ela até o hospital em Miguel Pereira na segunda-feira.

“Estamos tentando descobrir quem é. Ninguém sabe, mas podiam divulgar [para os taxistas] essa informação para a gente também poder se proteger”, diz um taxista que não quis se identificar. Segundo a Prefeitura de Miguel Pereira, o motorista está em isolamento domiciliar.

Além dos familiares da vítima, outros nove suspeitos de terem contraído coronavírus em Miguel Pereira estão também em quarentena e sob observação.

O prefeito André Português (PR) fez um pronunciamento nas redes sociais sobre as ações da prefeitura para combater o coronavírus — entre elas, uma obra que já estava em andamento para criar mais dez leitos no Hospital Municipal Luiz Gonzaga. Mas ela só será concluída e 30 dias.


De certo modo, a pequena Miguel Pereira imita um pouco as ações tomadas na esfera federal.

O prefeito André Português (PR) fez um pronunciamento nas redes sociais sobre as ações da prefeitura para combater o coronavírus — entre elas, uma obra que já estava em andamento para criar mais dez leitos no Hospital Municipal Luiz Gonzaga. Mas ela só será concluída e 30 dias. 

De certo modo, a pequena Miguel Pereira imita um pouco as ações tomadas na esfera federal. “Montei um gabinete de crise”, afirmou o prefeito em vídeo.

 “Montei uma estrutura no hospital 24 horas para quem quiser vir aqui e botei uma equipe só para atender pessoas suspeitas de coronavírus. Tudo que eu como prefeito puder fazer para cuidar da vida de cada um de vocês vou fazer”.

Esse texto foi publicado originalmente no site da Agência Pública com o título Primeira morte do Rio por coronavírus, doméstica não foi informada de risco de contágio pela “patroa”.




Primeira vítima fatal do coronavírus no Rio era diabética e hipertensa

Bilhões de pessoas não têm sabão para lavar as mãos e se livrarem do coronavírus

Número de mortos pelo coronavírus é muito maior que os dados oficiais, diz diretor de convênio

Morre de coronavírus o presidente do conselho do Santander em Portugal

Incentivador de manifestação pró-Bolsonaro, general Heleno está com coronavírus

Com a postura criminosa de Bolsonaro, Covid-19 pode virar a peste negra do Brasil



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Marceneiro exigia obediência bíblica de filhas para estuprá-las

Moças afirmam que o pai usava a Bíblia para persuadi-las Duas jovens — uma de 16 anos e outra de 18 — de Cariacica (ES) acusam o seu pai, um marceneiro, de abusar sexualmente delas com o argumento de que a Bíblia exige dos filhos obediência aos pais, que é uma lei de Deus. Vários trechos bíblicos se referem a essa obediência, como em Colossenses 3:20: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor". Cariacica tem mais de 340 mil habitantes e fica a 15 km de Vitória. A mulher do marceneiro o denunciou à polícia, e ele negou a violência. Mas as jovens relataram em detalhes os abusos que vinham ocorrendo havia seis meses. Inicialmente, uma não sabia que a outra era vítima de igual violência. Os relatos das jovens são parecidos entre si. O estupro se dava na casa deles, no segundo andar, geralmente após o marceneiro lembrar que a Bíblia diz que os filhos têm de fazer tudo que os pais mandam. A mãe ficou sabendo da violência no sábado, dia 1

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Nobel da Academia Pontifícia diz a bispos que a evolução é fato

por Telmo Pievani , do Corriere della Sera Arber acredita que fé e ciência são compatíveis O presidente da Academia Pontifícia das Ciências, Werner Arber  (foto), biólogo prêmio Nobel de Medicina em 1978, proferiu, no dia 12 de outubro passado, uma conferência sobre as relações entre ciência e fé, apresentada ao pontífice e aos membros do Sínodo dos Bispos, na qual ilustrou com clareza as bases da explicação evolucionista contemporânea. O texto na íntegra está disponível no site da Academia . No contexto de uma reflexão "sobre as mútuas relações e compatibilidades entre o conhecimento científico e os conteúdos fundamentais da fé", Arber escolheu como exemplo de aquisições científicas essenciais a evolução do universo e a evolução da vida sobre a Terra, como "fatos científicos estavelmente verificados". O microbiologista da Universidade de Basel, que sucedeu a Nicola Cabibbo no fim de 2010, explicou ainda que as variações genéticas espontâneas e a seleção