Pular para o conteúdo principal

Avança a proposta da legalização da eutanásia e suicídio assistido em Portugal

PARLAMENTO VAI CONSOLIDAR CINCO
PROPOSTAS EM UM PROJETO DE LEI

por Deutsche Welle

Descriminalização da eutanásia e do suicídio assistido está mais perto de se tornar realidade em Portugal. O Parlamento aprovou na quinta-feira (20 de fevereiro de 2020) um conjunto de propostas sobre o tema, um passo saudado por muitos, mas rejeitado por grupos religiosos e conservadores.

Os 230 parlamentares da Casa votaram ao todo cinco propostas, apresentadas por cinco partidos diferentes, acerca da legalização da prática em casos específicos e sob regras estritas. Todos os cinco textos, muito semelhantes entre si, foram aprovados por margem confortável.

"É um dia histórico. É um grande dia para a democracia", afirmou a deputada Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, autor de uma das propostas.

As demais iniciativas foram apresentadas pelo governista Partido Socialista, a sigla Pessoas-Animais-Natureza (PAN), o Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) e a legenda Iniciativa Liberal.



Os votos contrários vieram da maioria dos deputados do principal partido de oposição, o Partido Social Democrata (PSD), bem como do Partido Comunista, do conservador CDS — Partido Popular e do único representante do partido Chega, de extrema direita.

As cinco propostas serão agora transformadas num único projeto de lei, que deverá voltar ao Parlamento para uma votação final, ainda sem data definida.

Após aprovação pelos parlamentares, o projeto de lei precisa ser assinado pelo presidente do país, Marcelo Rebelo de Sousa (PSD), que tem poder de veto. Segundo agências de notícias, o conservador tem certa relutância sobre o tema da eutanásia. Mas mesmo que ele rejeite o texto, o Parlamento tem poder de anular o veto se votar mais uma vez pela aprovação.

O chefe de Estado poderia ainda apelar ao Tribunal Constitucional do país para que revise a legislação. A Constituição de Portugal afirma que a vida humana é "sacrossanta", embora o aborto seja legal no país europeu desde 2007.

Os cinco textos aprovados nesta quinta-feira não divergem muito entre si. Eles afirmam que o requerente da eutanásia deve ser maior de idade, não apresentar problemas mentais e estar em situação de sofrimento extremo, com lesão intratável ou doença fatal e incurável.

Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha.



Holanda inocenta médico que submeteu mulher com demência à eutanásia

Bélgica e Holanda estão na vanguarda da eutanásia

Bélgica multa asilo católico por não atender pedido de eutanásia

Vaticano recusa funeral ao paciente que pediu para morrer



Comentários

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos