Pular para o conteúdo principal

Equipe internacional liderada por astrônoma brasileira descobre origem de nebulosa

A Sh 2-296 é parte de
 uma enorme concha estelar


por Camila Boehm
para Agência Brasil

Uma equipe internacional liderada pela astrônoma brasileira Beatriz Fernandes, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP), em parceria com o Instituto de Astrofísica de Paris, descobriu a origem da nebulosa Sh 2-296, que compõe a nebulosa conhecida como Gaivota. 

O estudo também revelou que três estrelas, chamadas de fugitivas, dessa região foram ejetadas por diferentes explosões de supernovas há milhões de anos.

“Estudar regiões como essa é importante porque podemos entender como a morte de estrelas pode afetar a formação de novas gerações de estrelas e isso nos ajuda a compreender  a evolução da nossa galáxia, como as estrelas se formam e evoluem em diferentes ambientes e sob a influência de fatores externos", explicou Beatriz.

"As estrelas jovens dessas regiões também são protoplanetárias, que é onde vão se formar novos sistemas planetários.”

A nebulosa Sh 2-296, conhecida como as “asas” da nebulosa da Gaivota, é uma extensa região no céu em forma de arco, associada à região de formação estelar Canis Major OB1, composta por estrelas jovens, gás e poeira.




Origem

De acordo com o trabalho liderado por Beatriz Fernandes, a nebulosa Sh 2-296 é parte de uma enorme concha estelar descoberta pela equipe, que denominou a estrutura de “CMa shell” (concha CMa), e que foi formada por sucessivas explosões de supernova.

 “Ao analisar imagens da associação CMa OB1, vemos claramente que a nebulosa Sh 2-296 é de fato parte de uma grande estrutura, que pode ser aproximada por uma grande concha elíptica”, disse ela, sobre o trabalho de pós-doutorado no IAG-USP.

As descobertas foram possíveis empregando dados de vários observatórios, usando diversos tipos de emissões, como raios-X, visível, infravermelho e rádio. 

Além disso, foi importante o uso de informações do satélite europeu Gaia, que está medindo a distância e os movimentos das estrelas da nossa galáxia. Tais informações permitiram, pela primeira vez, de acordo com o IAG-USP, ter uma visão geral da formação estelar nessa região.

Com foto de divulgação.



O que há do lado de fora do universo em expansão?

Universo é mais simples do que se imagina, diz última teoria de Hawking

Telescópio confirma Einstein ao captar estrela próxima de buraco negro

Teoria de Darwin pode ajudar a desvendar mistérios dos cosmos




Comentários

Emerson Santos disse…
Show !!! Pena que menos de 0,5% da população brasileira consegue entender o primeiro paragrafo

Posts + acessados hoje

Vídeo mostra que filho de Testemunhas de Jeová já discrimina colega da escola

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Carta aberta de um ateu a Damares Alves: 'Não mexa com a minha Netflix'