Mãe processa padre por dizer que filho suicida poderia não ir para o Céu

Don LaCueta sugeriu
 várias vezes que Maison
 iria para o inferno

Linda Hullibarger entrou com processo judicial contra o padre Don LaCueta (foto), Arquidiocese de Detroit (EUA) e Igreja Nossa Senhora do Monte por grave e permanente sofrimento emocional, vergonha, humilhação, perda de fé e incapacidade de trabalhar.

Em 2018, no funeral de Maison (foto), filho de 18 anos Linda e Jeff, o padre disse não ter certeza de que o rapaz ia para o Céu porque tinha cometido suicídio.

Linda afirmou no processo aberto no Tribunal do Condado de Wayne, Michigan, que, na época, esperava que LaCuesta dissesse palavras de conforto, mas ele só agravou o seu estado emocional, referindo-se ao "suicídio" seis vezes, embora a família não tivesse divulgado a causa da morte do rapaz.

Quando o padre começou a falar em "suicídio", Jeff lhe pediu em seu ouvido que parasse, mas o sacerdote prosseguiu com sua pregação sugerindo que a alma de Maison ia para o inferno.

Por intermédio de seus advogados, Linda emitiu a seguinte nota à imprensa: ″ [No] funeral de nosso filho fomos derrubados mais uma vez, quando a expectativa era de obter solidariedade. "Nós não tínhamos ideia, nenhuma indicação de que isso iria acontecer ... Nenhum pai, irmão ou membro da família deveria, jamais, ter que passar pelo que passamos".

A Igreja Católica, como outras, condena o suicídio, mas não há obrigação de o padre falar sobre isso em funeral.

Linda e seus seis filhos estão pedindo uma indenização superior a US$ 25.000.

Os advogados de Linda descobriram que o padre LaCueta já tinha feito pregação semelhante em outros funerais, e a Igreja só agora o proibiu de tal serviço, por causa da repercussão do caso Hullibarger.

Linda contou que conseguiu se reunir com o arcebispo Allen Vigneron para pedir a remoção de LaCuesta daquela igreja.

De acordo com ela, Vigneron lhe disse que "deixasse [o caso] para lá e que procurasse ajuda [psicológica]".

Jeff e Linda foram foram
 surpreendidos pela pregação
 condenatória do padre

Com informação do Monroe News e de outras fontes, com fotos de domínio público.



Proibido o livro do padre que liga a umbanda ao demônio

Padre Melo admite que ateu não é necessariamente má pessoa

Onde termina o extremismo religioso e começa a loucura?

Acabar com a intolerância cristã é grande desafio, admite pastora




Comentários

  1. Pra que merda SERVE um eclesiástico? PARA O DESSERVIÇO à humanidade.
    Sou ateu, não sou um pária na sociedade. Ainda que invertam tudo, mas a mim ninguém ler ao contrário.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.