Ministério Público vai investigar padre que fez ativismo homofóbico em missa

Padre pediu a fiéis que assinem
abaixo-assinado para restringir
a decisão do STF que considera
a homofobia como crime.

O MPPE (Ministério Público de Pernambuco) abriu um inquérito civil para apurar a conduta de um padre que fez ativismo homofóbico durante a missa.

No dia 30 de junho de 2019, padre Rodrigo Alves de Oliveira Arruda, antes do final da missa que celebrava na capela São João Batista, Recife, pediu que os fiéis assinassem um abaixo-assinado com o pedido de que o Senado aprove um projeto de lei limitando a criminalização da homofobia decidida pelo Supremo Tribunal Federal [vídeo abaixo]

O abaixo-assinado critica o “ativismo judicial” do STF, mas o padre Arruda não se deu conta que sua atitude pode se enquadrada como “ativismo homofóbico”.

Certamente, entre os fiéis do Arruda, ou parentes deles, há homossexuais, e nisso o “misericordioso” sacerdote não pensou.

O padre Rodrigo Arruda, com sua militância de ódio, afronta o papa Francisco, que tem tentado conter a perseguição histórica da Igreja Católica aos homossexuais.

O Ministério Público, nesse caso, recebeu uma representação do Movimento LGBT Leões do Norte.

A Arquidiocese de Olinda e Recife informou não concordar com a opinião do padre.

A Congregação do Sagrado Coração, à qual pertence o padre, não se manifestou.

Em público, o padre só tem obtido solidariedade de líderes neopentecostais, de extrema-direita, que querem acabar com a criminalização da homofobia


Com informação do G1 e de outras fontes.



Religião é grande foco gerador de homofobia e preconceitos

Cardeal diz que homofobia é invenção gays que visam o 'domínio totalitário'

Igreja Católica usa linguagem 'vil' para se referir aos gays, diz ativista

Homofóbicos sentem excitação com gays, revela pesquisa




Comentários

Flavio disse…
Vc só pode ser uma bichona pra publicar tanto conteúdo endeusando gays. Só faltava essa, criminalizar "homofobia". Vcs são ridículos.
Fernando Asevedo disse…
Olha, essa voz peculiar, cuja ENTONAÇÃO GAY deixa sob suspeição muitas vozes ECLESIASTICAS...Deveria mover à uma autocrítica HONESTA muitos desses católicos...O senso comum está TÃO impregnado dessa AMBIGUIDADE (voz de padre e voz de bicha); que muitas vezes pensa estar defendendo os gays, no caso protegendo os padres; quando na verdade estão propagando odiosa homofobia!
Fernando Asevedo disse…
Homofobia internalização da culpa religiosa ...Só pode ser!
Anônimo disse…
Flavio, aceita que dói menos, a homofobia já foi criminalizada, então é bom maneirar nos seus comentários, se quiser identificamos o seu IP rapidinho.
Nada aí de "ativismo" juducual, apenas cumprir os princípios de Igualdade de Direitos!
SE há racismo e até colocaram no mesmo nível discriminação por religião, então como LGBTs (e questões de gênero e mulheres) são de longe muito mais sofrem preconceitos, lógico que deve estar explicitado. Obs ateus muitas vezes são até mais discriminados...
Obs se há por religião por que não há ideologia, times etc? Vejam os jogos e agressões por torcidas rivais... Deveria ser discriminação por "questões de pensamento, doutrina ou fã" em vez de detalhar religião.