Edir processa sebo por sugerir que sua obra é ‘vergonha para humanidade’

Luciano e Mariângela,
donos da loja, afirmam
 que manifestaram
 a sua opinião

Fundador da Igreja Universal, que possui milhares de templos em diversos países, e dono da Rede Record, o bispo Edir Macedo se sentiu ofendido por um banner em de sebo de Resende, interior do Rio.

O banner faz um convite de entrada na loja às pessoas, incluindo aquelas que não consideram a obra de Jair Bolsonaro, Silas Malafaia e Edir Macedo uma “vergonha para a humanidade”.

O convite também se estendia aos racistas, machistas e homofóbicos, com o argumento de que os livros poderiam ajudá-los.

O banner ficou exposto defronte à loja por algum tempo em 2017 e se tornou viral na época das eleições de 2018.

Luciano Gonçalves e Mariângela, donos do sebo “Gregas e Troianas”, retiraram o banner diante de um pedido extrajudicial da Igreja Universal.

Mesmo assim Edir Macedo deu entrada na Justiça a uma ação contra a Mariângela, que é juridicamente a dona do sebo.

O bispo pede que a loja faça uma nota se retratando da discriminação religiosa, que ele entende ter havido no banner, e uma indenização de R$ 25 mil por danos morais.

O casal nega que tenha preconceito contra qualquer religião, tanto que seu estabelecimento está aberto a todos e ali há livros sobre variados assuntos.

Luciano disse à BBC Brasil que a proposta do banner era apresentar algo divertido.

"A gente acha que um sebo é diferente de uma farmácia ou outra loja que simplesmente vende produtos. Trabalhamos com ideias. E algumas delas a gente gostaria de ver multiplicadas mais que outras."



A assessoria de imprensa de Edir Macedo reafirmou que se trata de um caso de preconceito religioso.

"Supõe-se que [o sebo] seja administrado por pessoas esclarecidas, que sabem que não há mais espaço no Brasil para o preconceito e o ódio religioso", diz a assessoria em nota.

"Trata-se de algo que não pode ser tolerado pela sociedade, nem por parte de grandes redes de lojas, tampouco em comerciantes locais."

Luciano argumenta que apenas exerceu o seu direito de liberdade de expressão e não houve nenhuma discriminação, nenhuma intenção de excluir seguidores de determinada religião, “muito pelo contrário, [porque] convidamos as pessoas a entrarem”.

“Em nenhum momento citamos a religião no banner", diz.

"Minha crítica é à obra dele [Edir], uma opinião que tenho todo o direito de ter. Não estou xingando a pessoa dele nem falando mal da religião."

Com informação da BBC Brasil e foto de arquivo pessoal.





Edir Macedo compra em Miami apartamento por US$ 9,65 milhões

Edir Macedo entra na lista dos mais ricos do mundo

Ministério Público acusa Edir Macedo de ser chefe de quadrilha

Americanos pedem ao governo que investigue Edir Macedo

Olavo Carvalho diz em vídeo que Edir Macedo é caso de 'flatulência espiritual'



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

  1. SOBRE O LIVRE DIREITO DE MANIFESTAÇÃO

    “Todo homem tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular”. (Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos –DUDH - ONU).
    “Todo homem tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras”.
    O direito à liberdade de pensamento no Brasil é um direito constitucional do povo brasileiro, assegurado pela CF. de 1988 em seus artigos 5º e 220º e, no mundo, é um direito que está presente na XIX da Declaração Universal dos Direitos Humanos, segundo o artigo: "Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras."
    Quanto mais liberdade (não confundir com libertinagem) as pessoas usufruírem, mais rico, bonito, belo e cheio de significado será o mundo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato