Ex-presidente da Irlanda diz que entidade católica antigays é 'perigosa' e 'maquiavélica'

Mary McAleese afirmou
 que é dever do governo
 defender os jovens da
 Courage International


por Jonathan Nisly
para New Ways Ministry

A ex-presidente da Irlanda, Mary McAleese (foto), recentemente emitiu uma forte condenação à organização católica antigays Courage International.

McAleese chamou o grupo – que acredita que todas as identidades LGBTQ derivam de distúrbios psicológicos – de “maquiavélico, perigoso e deliberadamente enganoso”.

Embora a organização não endosse a terapia de conversão, sabe-se que os capítulos individuais da Courage têm promovido a prática que a comunidade psicológica constatou que causa muitos danos perigosos. Por exemplo, o blog Bondings 2.0 relatou sobre uma diocese escocesa que defendia os materiais de terapia de conversão no site da Courage.

McAleese disse que é dever do governo irlandês proteger os jovens dos programas da Courage. Ela tem se pronunciado abertamente há muito tempo sobre os perigos levantados pela terapia de conversão, dizendo que isso provocou “danos incalculáveis”. 

“Eu acompanho os caixões de jovens que passaram por essas ‘terapias de conversão’ falsas, graças à Igreja”, disse McAleese.

Um estudo de 2018 descobriu que 50% dos jovens LGBTQ cujos pais não aceitavam sua identidade tentaram o suicídio, uma taxa que é o dobro daqueles cujos pais não tentaram uma cura gay. Quando os pais envolviam um psicólogo ou um líder religioso, a taxa de tentativa de suicídio subia para dois terços.

A Courage promove o celibato como a única opção autenticamente católica para as pessoas LGBT e usa a linguagem do vício ao discutir as identidades LGBTQ. 

Embora o celibato possa ser uma escolha legítima para pessoas de qualquer orientação sexual ou de gênero, muitos católicos LGBTQ e simpatizantes discordam da sugestão de que essa é a única maneira de eles viverem autenticamente a sua fé.

Em casos mais extremos, alguns bispos dos EUA endossaram organizações que vão além da Courage ao apoiar abertamente a terapia de conversão. O arcebispo Samuel Aquila, de Denver, por exemplo, recentemente apelou pelo início de grupos paroquiais locais para ajudar a curar pessoas “sexualmente quebradas”.

A preocupação de McAleese em relação à Courage deriva de suas críticas mais amplas ao envolvimento da Igreja Católica com o gênero e a sexualidade. 

Em 2018, antes da Parada Gay de Dublin, ela disse que o ensino do magistério sobre a homossexualidade era “maligno”.Ela já tinha afirmado que uma Igreja homofóbica “não é a Igreja do futuro”. 

Foi uma defensora ativa em favor da igualdade de casamento durante o referendo da Irlanda em 2015, dizendo que o voto “sim” iria “corrigir um erro gritante”.

“Os católicos de todo o mundo são gratos mais uma vez pela franca crítica de Mary McAleese às práticas e ensinamentos sancionados pela Igreja que envolvem profundamente as pessoas LGBTQ”, disse Robert Shine, diretor associado do New Ways Ministry.

“Ela fala com a autoridade de não apenas ser uma líder política, mas também como uma canonista formada e, mais importante, como a mãe de um filho gay. As autoridades da Igreja devem ouvi-la cuidadosamente enquanto reconsideram o papel dos programas ligados à terapia de conversão na pastoral católica.”






Padre que abusou de 55 crianças na Irlanda dava aula em Osasco

Irlanda regasta a história da vergonha das lavanderias católicas

Padres abusaram de 12 mil jovens na Irlanda em seis décadas, diz relatório

Com queda de 22%, desaba o número de religiosos na Irlanda



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Se determinada igreja / religião discrimina sem problemas DESDE QUE apenas no âmbito religioso. Ou seja, sem serem "guardiães da moral, da Ciência, da racionalidade e afins". Lembrando que também pela laicidade respeitar o direito de OUTRAS religiões que respeitam, não apenas "toleram", LGBTQs no que são, mulheres com plenos direitos (na igreja) e afins.
Esse tipo de entidade católica (dentre outras) está no rol das que devem ser combatidas com o rigor do Estado de Direito. Extrapolam a liberdade de crença.