Procuradoria pede prisão do presidente da Frente Parlamentar Evangélica

Silas Câmara é
acusado de empregar
 funcionários fantasmas

A Procuradoria Geral da República apresentou hoje (9 de abril de 2019) Supremo Tribunal Federal pedido de prisão por peculato ao deputado Silas Câmara (foto), que é presidente da Frente Parlamentar Evangélica.

O parlamentar é acusado por ter empregados fantasmas em seu gabinete, para desviar recursos da Câmara dos Deputados. Ele já tinha sido condenado em outro processo.

Nas alegações finais, a PGR afirmou que "Câmara recebeu reiterados depósitos em espécie, que totalizaram a quantia de R$ 144.948,93 (cento e quarenta e quatro mil, novecentos e quarenta e oito reais e noventa e três centavo), entre janeiro de 2000 a dezembro de 2011, com semelhança de valores  bancados pelos assessores e recebidos pelo parlamentar e proximidade entre as datas de saque e depósito nas contas correntes do congressista”.

Quando foi eleito presidente da Frente sob aclamação, Câmara prometeu “defender os costumes ligados aos céus e à família, dizendo que vai acompanhar 1.798 proposições parlamentares “que afetam diretamente a nossa fé”.

Com informação da PGR e de outras fontes.




Aviso de novo post por e-mail

Pastor não deveria se tornar político, afirmam brasileiros

Bancada evangélica é ovo do nazismo, afirma frei Betto

Evangélicos tratam Congresso como extensão de suas igrejas

Polícia acusa líder de seita de ter devorado ‘mulheres más’




Fundamentalismo evangélico tomou espaço dos progressistas

Mais sobre Frente Parlamentar Evangélica

Comentários

Anônimo disse…
Tá socando a mão no dinheiro dos defensores de zigotos, kkkkkkkkk

-------- Busca neste site --------