Rússia confisca campus de US$ 30 milhões das Testemunhas de Jeová

Centro administrativo
 das Testemunhas de Jeová
 em São Petersburgo
 tem 14 edifícios 

O governo da Rússia confiscou o campus onde funcionavam 14 edifícios do centro administrativo das TJs (Testemunhas de Jeová) no valor de US$ 30,4 milhões, em São Petersburgo.

A Suprema Corte da Rússia baniu em abril de 2017 as TJs do país por considerá-las uma organização extremista, de acordo com lei de 2002.

Advogados de defesa das TJs argumentam que o campus não poderia ter sido confiscado porque pertence a Watch Tower Bible and Tract Society (nome jurídico da religião), com sede na Pensilvânia (Estados Unidos).

O que houve, para esses advogados, foi um “roubo” do campus.

Para autoridades governamentais, a Testemunhas de Jeová mantiveram o campus em nome de sua sede nos Estados Unidos com o propósito de evitar a desapropriação.

Em 2000, as TJs russas venderam o complexo de prédios à sede nos Estados Unidos, mas agora a Justiça julgou que o negócio não tem validade.

O governo doou o complexo a uma instituição de assistência médica.

Ex-Testemunhas de Jeová criticam o governo de Putin de perseguição religiosa.

Há casos, inclusive, segundo eles, de tortura de seguidores da religião oficialmente extinta.

Com informação World Religion News, JW e de outras fontes, como foto de divulgação.





Aviso de novo post por e-mail

Testemunhas de Jeová preparam-se para o fim do mundo com kit Armagedom

Mulher com câncer recebe sangue para não morrer e é rejeitada por filhas TJs

Cazaquistão suspende atividades das Testemunhas de Jeová





TJs têm perda acelerada de fiéis em países desenvolvidos, relatam ex-seguidores


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários