Pastor acusado de abuso de adolescente diz ter sido seduzido pela vítima

Em 2010, Paulo Moraes
 foi preso por pedofilia,
 mas foi considerado
inocente pela Justiça

O Ministério Público do Rio de Janeiro pediu a prisão do pastor Paulo Giovani Moraes, da Segunda Igreja Batista, sob a acusação de abuso de crianças.

A igreja o afastou de suas atividades.

Ele pregava na Favela do Jacarezinho, no Jacaré, Zona Norte do Rio.

De acordo com denúncias da mãe de uma vítima, entre 2015 e 2018 o pastor assediou um adolescente, com o qual teria tido relacionamento sexual dentro da igreja.

Em novembro de 2018, em depoimento à polícia, o pastor disse que é um ex-homossexual e que tinha trocado carícias com o jovem.

Falou que foi seduzido pela vítima.

Em 2010, o pastor foi preso em flagrante acusado de violentar um adolescente, mas a Justiça o absolveu. Continuou solto, pregando a palavra de Cristo, e agora é suspeito de novos abusos.

Com informação da Globo News e de outras fontes.






Aviso de novo post por e-mail

Juiz condena pastor por abuso de uma criança ‘serva de Deus’

Fiéis acusam pastor de abuso em sessões de cura

Polícia prende pastor que tirava 'maus fluidos' de meninas





Pastor engravida menina porque foi 'promessa de Deus’


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Unknown disse…
pregando a palavra de ''cristo'' cada coisa