Justiça de Paris autoriza lançamento de filme sobre padre pedófilo francês

Os cinemas franceses foram autorizados por um tribunal de Paris a exibir o filme Grâce à Dieu ("Graças a Deus", em português) alvo de polêmica na França. No sábado (16 de fevereiro de 2019), o longa de François Ozon, sobre um escândalo real de pedofilia dentro da Igreja Católica da França, recebeu o grande prêmio do júri da Berlinale na Alemanha.

 A Justiça de Paris, que havia sido acionada pelos advogados do padre acusado no filme, não vetou o longa. No entanto outra ação ingressada por uma psicóloga citada no filme ainda deve ser pronunciada pelo tribunal de Lyon.

Grâce à Dieu conta o nascimento da associação de vítimas La Parole Liberée, fundada em Lyon em 2015 por antigos escoteiros-mirins abusados sexualmente por um padre pedófilo, Bernard Preynat, que teria molestado mais de 85 crianças. O filme conta a história de três delas, interpretadas pelos atores Melvil Poupaud, Denis Ménochet e Swann Arlaud.




O lançamento do filme acontece apenas um mês e meio após o julgamento do arcebispo de Lyon, Philippe Barbarin, acusado de encobrir o caso. O veredito deverá ser anunciado somente no dia 7 de março de 2019. Já o padre Preynat, indiciado em 2016, ainda não foi julgado.

Para tentar adiar o lançamento do longa, um dos advogados do padre Preynat decidiu processar François Ozon, mas a Justiça não acolheu a acusação considerando que o filme não prejudica o processo do padre. 

O juiz destacou que “o julgamento ainda não foi agendado e não deve acontecer em uma data próxima ao lançamento do filme”. O magistrado também lembrou que os espectadores “são informados, no final do filme, sobre a presunção de inocência e que o padre Preynat é atualmente considerado inocente”. 


Com informações das agências.



Aviso de novo post por e-mail

Arcebispo da Paraíba proíbe padres de ficarem sozinhos com crianças

Padres pedófilos hoje parecem um batalhão internacional

Igreja demorou dez anos para expulsar padre pedófilo




Acobertamento de padres pedófilos acelera declínio da Igreja no Chile


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários