Pular para o conteúdo principal

Religião tem longa história de opressão às mulheres, diz Emma Thompson

Atriz premiada afirma que defende a mulher desde a época em que não se falava de igualdade das mulheres

Emma Thompson diz ser ateia porque, entre outras coisas, entende que as divindades fazem parte da lógica de opressão às mulheres.

“A religião tem uma longa história de opressão à mulher”, afirma a atriz.

Filha de atores, a atriz e roteirista Dame Emma Thompson nasceu em Londres no dia 15 de abril de 1959.

Participou de filmes como Howard's End (1992), The Remains of the Day (1993), In the Name of the Father (1993), Sense and Sensibility (1995), Love Actually (2003), a saga Harry Potter (2004-2011), Nanny McPhee (2005), Saving Mr. Banks (2013) e Beauty and the Beast (2017).

Ganhou vários prêmios, incluindo dos Óscares.

Ligada ao Greenpeace, ela recebeu o título de Dama do Império Britânico calçando tênis.

É defensora das mulheres desde uma época em que o feminismo não estava em moda.

“Acima de tudo e em primeiro lugar sou uma feminista que acredita nos direitos da mulher e na igualdade”, diz em uma entrevista.

“[Por isso] é impossível eu sentir simpatia ou fé em qualquer instituição que sistematicamente oprime as mulheres.”



Com informação do El País e de outras fontes, com foto de divulgação.

Angelina Jolie afirma que para ela não precisa existir um deus



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Em 2022, no Rio, jovens e brancos foram maioria dos casos da varíola dos macacos

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Por que Jesus é retratado com um tanquinho? Esse messias reflete os valores cristãos de masculinidade

Britney Spears entra na lista de famosos que não acreditam em Deus

Atentados e corte de verba pública colocam as Testemunhas de Jeová em crise

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

Por que Câmara só tem símbolo do cristianismo? Vereadora defende representação do Exu