Entidade ligada a CNBB repudia pacote anticrime de Moro

Por intermédio da PCr (Pastoral Carcerária Nacional), a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) manifestou repúdio ao pacote anticrime do ministro Sérgio Moro (foto), da Justiça e Segurança Pública, por considerar que as medidas desrespeitam os direitos humanos.

Medidas de Moro visam
 o combate aos corruptos
e ao crime organizado

Em nota, a PCr afirmou que a violência se deve às desigualdades sociais, acrescentando que é preciso esvaziar os cárceres e não lotá-los mais ainda.

Se as medidas de Moro forem adotadas, haverá “aumento do encarceramento em massa, do endurecimento penal e da letalidade policial”, afirmou.

A entidade é contra a prisão após a condenação em segunda instância porque acredita que isso anula a presunção de inocência antes que se esgotem todos os recursos jurídicos.

Moro tem afirmado que seu pacote não dá aos policiais licença para matar e que a prisão em segunda instância é um instrumento de combate à corrupção, que prejudica a população por desviar recursos públicos. 

Com informação da pastoral e foto de Marcelo Camargo / Agência Brasil.



Aviso de novo post por e-mail

CNBB propõe 'tolices' para a Previdência, afirma jornal

Igreja Católica se beneficia com o furor reivindicatório evangélico

CNBB diz surpreendida com desvio de dízimo e pede oração



Crescimento do ateísmo no Brasil preocupa Igreja Católica


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários