João de Deus passa a ser réu em dois processos por abuso

Agência Brasil

A juíza Rosângela Rodrigues dos Santos, da Justiça de Abadiânia (GO), aceitou hoje (16 de janeiro de 2019) nova denúncia apresentada pelo Ministério Público contra o médium João de Deus (foto), pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual. Com a decisão, João de Deus passa à condição de réu em dois processos criminais.

Processo contêm 13 casos
 de  abusos que teriam sido
cometidos pelo curandeiro

 médium está preso desde 16 de dezembro de 2018, no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia (GO), em função das acusações de crimes sexuais, que teriam sido praticados contra centenas de mulheres. Os advogados negam as acusações.

A denúncia aceita pela magistrada foi feita ontem (15) pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO). De acordo com o MP, 13 casos de crimes sexuais ocorreram entre o início de 1990 e meados de 2018.

As vítimas são do Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. Uma das mulheres que afirma ser vítima diz ter sofrido abuso em dois diferentes momentos. O primeiro quando ainda era uma criança. O segundo, já adolescente.

Na semana passada, a defesa de João de Deus desistiu do habeas corpus protocolado no Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, a desistência foi uma estratégia processual.

Com foto da Agência Brasil.

Aviso de novo post por e-mail

Por unanimidade, Tribunal de Goiás nega pedido de liberdade a João de Deus

Mulher diz ter sido estuprada por João de Deus quando tinha 8 anos

Filha de João de Deus move ação contra o médium sob a acusação de abuso




Justiça condena TJs a indenizar vítima de abuso em US$ 28 mi


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários