Por unanimidade, Tribunal de Goiás nega pedido de liberdade a João de Deus

da Agência Brasil

Por unanimidade, o Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) negou na noite de ontem (15 de janeiro de 2019) pedido de liberdade feito pela defesa do médium João de Deus, que está preso desde 16 de dezembro, no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia (GO), sob a acusação de violação sexual mediante fraude e de estupro de vulnerável.

Curandeiro vai continuar
 preso no centro de custódia
 de Aparecida de Goiânia

Os supostos crimes teriam sido praticado contra centenas de mulheres. Os advogados negam as acusações.

Durante o julgamento, os advogados de João de Deus defenderam que o médium poderia aguardar o desfecho das investigações em liberdade ou em prisão domiciliar. 

A defesa alegou que o médium é réu primário, mora em residência fixa há 42 anos, tem 76 anos e problemas de saúde, como doença coronária e vascular, além de ter sido operado de câncer no estômago.

Mais cedo, o Ministério Público de Goiás (MPGO) apresentou à Justiça Estadual a segunda denúncia contra João de Deus pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual.

Para o MPGO, 13 casos ocorreram entre o início de 1990 e meados de 2018. As vítimas são de oito unidades da Federação: Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. Uma das mulheres que afirmam ser vítimas diz ter sofrido abuso em dois diferentes momentos. O primeiro quando ainda era uma criança. O segundo, adolescente.

Com foto de divulgação.

Aviso de novo post por e-mail

Mulher diz ter sido estuprada por João de Deus quando tinha 8 anos

Filha de João de Deus move ação contra o médium sob a acusação de abuso

Vídeo mostra policiais encontrando dinheiro escondido de João de Deus




Líder que une umbanda ao Santo Daime é suspeito de abusos de mulheres


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diario Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.