Papa valoriza mais o ateu consciente que o católico hipócrita, escreve monge

por Enzo Bianchi
monge italiano fundador da Comunidade de Bose

Algumas expressões fortes do papa Francisco na audiência geral na quarta-feira (2 de janeiro de 2019) deram origem a uma audaciosa comparação entre "cristãos hipócritas" e "ateus".

Na realidade, o papa insistiu sobretudo na incoerência daquele que "frequenta a igreja ... e depois vive odiando os outros". É para ele que seria "melhor não ir à igreja: viver assim, como se fosse um ateu! "

A ênfase da exortação papal não recai tanto no comportamento mais ou menos correto daqueles que se professam ateus e sua comparação com a coerência de vida dos crentes, mas sim sobre a intolerável hipocrisia religiosa de quem é "capaz de tecer orações ateias, sem Deus". E que fique bem entendido o papa está dizendo: há quem reza sem se sentir diante de Deus, sem escutar Deus, sem ser verdadeiramente tocado pela presença e pela voz de Deus.



A condenação da hipocrisia, um vício típico das pessoas religiosas de todos os tempos, é uma das advertências mais presentes já nos profetas de Israel, enquanto nos Evangelhos é um dos traços mais marcantes da pregação de Jesus. Por essa razão, retomá-la hoje, aplicando-a aos comportamentos daquele que não segue a fé que professa, mas a exterioridade das aparências, é simples atualização do ensinamento de Jesus. 

Naquelas "orações ateias" - expressão inédita, mas de rara eficácia – o papa Francisco denuncia orações, liturgias, gestos religiosos em que Deus é nomeado e invocado, mas na realidade, ignorado. E ao chamar em causa o ateu coerente com os seus princípios, com a sua consciência, Francisco reconhece que quem se professa ateu e segue a sua consciência é mais correto de quem se diz cristão, mas tem um coração duplo e vive em hipocrisia.

A dura advertência do papa lembra a todos, começando justamente por aquele que se professa cristão, uma dimensão constante da doutrina católica: o princípio último permanece a consciência autêntica, comprovada e comparada de cada um, que é superior a qualquer autoridade e qualquer lei. 

Precisamente por isso o papa Francisco aproxima tantas vezes a hipocrisia com a corrupção: se outros pecados "chamam" para a conversão, a hipocrisia e a corrupção tendem, por sua natureza, a sufocar a consciência, a silenciá-la, a violentá-la em sua dimensão mais íntima. É então verdadeiro motivo de "escândalo" assumir a postura de pessoa de oração e depois não amar o próximo, fingir dialogar na oração com o "Deus que não pode ser visto" e desprezar "o irmão que pode ser visto". Então melhor viver "como ateu", sem professar a fé cristã, em vez de contradizer com o comportamento o que se professa com os lábios.


O papa mais uma vez confessa que os cristãos caem em pecado como os outros, reafirma que as bem-aventuranças proclamadas por Jesus não são moralismo, mas boas novas e revelação. 

Na catequese sobre o "Pai Nosso", o papa Francisco não apresentou nenhum convite ao ateísmo, mas expressou novamente uma forte condenação da hipocrisia daqueles que usam atitudes e até a oração cristã como símbolos a serem ostentados, como autocelebrações identitárias, mas permanecem incoerentes com a mensagem do Evangelho, alimentando em si a indiferença, se não o ódio pelos pobres e sofredores, a hostilidade para com aqueles que são diferentes e estrangeiros.

É por isso que esta foi uma exortação do papa Francisco apaixonada e convincente para crentes e não crentes, para pessoas "pensantes" de qualquer ou nenhuma filiação religiosa. O papa Francisco simplesmente recordou a expressão do grande padre da igreja, Inácio de Antioquia: "Melhor ser cristão sem dizê-lo e exibi-lo em vez de proclamar-se cristão sem sê-lo".

Com tradução de Luisa Rabolini para IHU Online.



Aviso de novo post por e-mail

Ateísmo é a evolução lógica da religião, diz Richard Dawkins

Ateus são mais caridosos que crentes, sugere estudo

Ateísmo crescente preocupa países do Oriente Médio




Veja quais são os oito principais mitos sobre ateus e ateísmo


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários