Não há evidência de que Crivella use prédio público para religião, diz Toffoli

por Alana Gandra
para Agência Brasil

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, suspendeu a liminar do juiz Rafael Cavalcanti Cruz, da 7ª Vara da Fazenda Pública do Rio de Janeiro, que proibia o prefeito carioca, Marcelo Crivella, de usar prédios públicos para desenvolver “atividades de interesses pessoais ou de algum grupo”.

Toffoli considerou não haver indícios de irregularidades em reunião pública com lideranças sociais promovida em julho deste ano por Crivella, no Palácio da Cidade, no evento que ficou conhecido como “fala com a Márcia”.

"Fale com
 a Márcia"

Segundo Toffoli, não há evidências de que Crivella “tenha atuado a favor ou mantido relação de aliança ou dependência com entidade religiosa a ponto de incorrer nas proibições previstas no inciso I, do Art. 19 da Constituição Federal”.

Durante o evento, no dia 4 de julho, o prefeito teria oferecido facilidades a pastores e líderes de igrejas, entre as quais cirurgias de cataratas e de varizes para fiéis, além de assistência a pastores que tivessem problemas com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) em seus templos.


O encontro reservado foi divulgado com exclusividade pelo jornal O Globo, cujo repórter estava no local do evento.

Para ter acesso às facilidades citadas, o prefeito disse que bastava procurar a assessora: “É só conversar com a Márcia que ela vai anotar, vai encaminhar e, daqui a uma semana ou duas, eles estão operando”, disse Crivella no áudio gravado pelo jornal carioca.

Hoje (14 de dezembro de 2018), a Secretaria Municipal da Casa Civil divulgou nota em que afirma que o STF “corrigiu a fake news do Caso Márcia”, ao suspender a liminar do juiz Rafael Cavalcanti Cruz, o que garante a Crivella “governar plenamente para os cerca de 6,5 milhões de cariocas”.

Com foto de divulgação.



Aviso de novo post por e-mail

Crivella afirma que só o ‘Brasil evangélico é que vai dar jeito nessa pátria’

Crivella não aplica a Lei do Silêncio e mantem impunidade de igrejas evangélicas

Crivella afirma que 'evangélico não rouba'. Como Eduardo Cunha?




Rio está em caos, e Crivella canta exaltando a Igreja Universal


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários