Pular para o conteúdo principal

'Arrastão de Jesus' expulsa fiéis de religiões africanas de cemitério público de Niterói

No Dia de Finados, cerca de 30 evangélicos expulsaram 15 seguidores da Umbanda e Candomblé do Cemitério Municipal de Maruí, Niterói [mapa], Rio, que ali estavam promovendo rituais religiosos.

Postado no Facebook, um vídeo [abaixo] com imagens da expulsão já tem mais de 7 mil comentários, na maioria criticando a intolerância religiosa, e 1,1 milhão de visualizações.

Evangélicos chegaram
 uniformizados de amarelo,
 como se fossem uma
 milícia religiosa

O vídeo com duração de 1 minuto de 17 segundos mostra homens e mulheres vestidos de amarelo invadindo uma área do cemitério conhecido como Cruzeiro, onde seguidores de religiões de matriz africana costumam fazer suas orações.

Os evangélicos chegaram dizendo: “Jesus tem poder”, “o nome de Jesus é poderoso”, “feitiçaria sai” e “demônio sai”.

Falavam que estavam fazendo um “arrastão de Jesus”.

O babalawo Ivanir dos Santos disse que os evangélicos estavam uniformizados, como se pertencessem a uma milícia religiosa, e que a expulsão foi um ato organizado.

Registrado na Polícia Civil, o caso será investigado pela Comissão Combate à Intolerância Religiosa.



Com informação de “O Dia” e do Facebook.



Aviso de novo post por e-mail

Hipocrisia poupa evangélicos no combate à intolerância

Jornal critica intolerância evangélica contra umbanda

Evangélicos apedrejam garota de 11 anos, acusa candomblecista





Leia trecho de livro-reportagem sobre o projeto de poder dos evangélicos


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Cristianismo é a religião que mais perseguiu o conhecimento científico

O dia em que Bill Gates, defensor da ciência, previu a pandemia, em 2015