Fundamentalismo político e o religioso atolaram a sociedade no radicalismo


[opinião]

O atentado a faca ao candidato a presidente Jair Bolsonaro mostra que a radicalização da sociedade brasileira ultrapassou há algum tempo o limite da razoabilidade civilizatória.

O crescendo da insanidade e do repúdio ao outro tem abafado as vozes cada vez mais raras da tolerância e da conciliação.

Todos somos culpados pela degeneração do convívio pacífico.


Nas últimas duas décadas, pelo menos, a retórica de opostos tem convergido para alimentar o ódio como ferramenta de tomada e preservação de influência e do poder.

O “nós contra eles” do discurso político dividiu a nação em duas e de maneira que uma pacificação, em tese, só poderá ser imposta na marra, com vencedores e vencidos, o que não é democrático.

O Brasil hoje tem uma classe política desacreditada porque ela só demonstra estar unida quando se trata de se defender de denúncias de corrupção, além de ser incompetente, de atolar o país em uma profunda recessão.

A pregação do
 'nós contra eles'
 vale para
política e religião

Líderes religiosos têm contribuído muito para a exacerbação.

Não é gratuito o fato de o acusado do esfaqueamento a Bolsonaro ter afirmado que agiu a mando de Deus, além de estar na esfera de influência do “nós contra eles”.

Adélio Bispo de Oliveira, o esfaqueador confesso, é um missionário evangélico que já foi militante de carteirinha do PSOL.

O próprio Bolsonaro se acha em missão divina e tem sido um irradiador de fundamentalismo religioso.

Eis a causa do radicalismo brasileiro: o fundamentalismo político e o religioso, e ambos, a rigor, são a mesma coisa.

Quando se fala em nome de Deus ou de deuses, sejam da religião ou da política, não é possível ter diálogo porque sempre haverá os donos da verdade.

Para combater a radicalização é preciso combater a religião em todas as suas expressões.

Com informação das agências.


Jair Bolsonaro afirma a evangélicos que está em missão divina

Jair Bolsonaro faz ameaça de instituir um Estado cristão

Silas Malafaia começa a fazer campanha para Bolsonaro




Feliciano diz que Bolsonaro é vítima do ‘globalismo ateísta’

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site