Pular para o conteúdo principal

Vaticano investiga bispo da CNBB que é suspeito de assediar jovem

O Vaticano está investigando denúncias que envolvem dom Tomé Ferreira da Silva em abusos sexuais.

Após a divulgação das denúncias pela imprensa, o bispo renunciou à coordenadoria regional da Arquidiocese de Ribeirão Preto (SP). O cargo faz parte da hierarquia a CNBB.

Na CNBB, ele era responsável pelos bispados das regiões de Barretos, Catanduva, Jales, Votuporanga e Rio Preto.

Dom Ferreira
da Silva pediu
 renúncia

Dom Ferreira da Silva é suspeito de assediar um jovem — entre as provas há uma troca de mensagens — e de acobertar padres pedófilos.

Dom José Negri, bispo da Diocese Santo Amaro e amigo do papa Francisco, é o investigador do caso.

Procurado por jornalistas, dom Ferreira da Silva não se manifestou para apresentar a sua defesa ou dar a sua versão sobre as denúncias.

Com informação de Jocelito Paganelli, TV TEM.


Aviso de novo post por e-mail

Igreja Católica do Brasil tem menos pedófilos do que outras?

STJ condena Igreja Católica por pedofilia cometida por padre

Chile pressiona Igreja a esclarecer queima de arquivos sobre pedofilia




Papa admite que pedofilia abalou a credibilidade da igreja

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão