Só 56% dos americanos creem em Deus como é descrito na Bíblia


É difícil acreditar
em um deus onipotente
e onisciente

A Bíblia não tem credibilidade sequer entre os religiosos dos Estados Unidos. 

Do total da população, 80% acreditam em Deus, mas apenas 56% deles concordam que o Jeová é como a Bíblia o descreve.

A informação é do Pew Research Center, que entrevistou 4.700 adultos entre 4 a 18 de dezembro de 2017.

Verificou-se que as pessoas que não creem no Deus bíblico são menos propensas a acreditar em uma divindade que é onipotente, onisciente, benevolente e interessado em assuntos humanos.

Quase metade (48%) dos americanos acha que Deus ou outro poder superior interfere diretamente em sua vida na maior parte do tempo.


Do total, 75% dizem que tentam falar com Deus ou com outro poder superior do universo.

Desses, 30% afirmam que Deus ou outra entidade superior responde de volta.

Do total que se declarou ateu (10%), ninguém, como era esperado, disse acreditar no Deus bíblico.

Contudo, 18% desses afirmaram acreditar em algum outro tipo de poder superior ou força espiritual.

Duas observações:

1ª – O índice de 80% dos americanos que acreditam em Deus é bem expressivo, mas ainda assim o do Brasil é maior.

2ª – O índice de 10% de ateus americanos certamente contém distorção, porque a rigor quem acredita em uma “força superior”, ainda que não seja o Deus cristão ou o de outras religiões, não pode ser considerado com descrente.

Com informações do site do  Pew Research Center e de outras fontes.


Nos Estados Unidos, 14% dos ex-católicos se declaram ateus

Triplica nos Estados Unidos universitários sem religião




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

  1. Caríssimo, venho acompanhando aqui de Portugal este seu blog de cariz 'ateu', com cujos conteúdos, na sua generalidade concordo. O que me deixa de pé atrás é precisamente essa designação. Porque para mim (e felizmente muito outros mais), ser ateu é ainda estar preso no sistema de controle em que se tornou essa instituição. É posicionar-se contra e isso é o que mantém esta engrenagem de eterna confrontação a funcionar. E é disso que nos devemos afastar, assumindo nossa condição de seres eternos, livres, soberanos, sem intermediários de qualquer espécie, totalmente responsáveis por nossa vida fisica e a que nos envolve e transcende. Expandir e elevar a consciência é (deveria ser), nosso maior foco e propósito. Está claro que seu trabalho de denúncia e desmascaramento desse estado de coisas é deveras importante e deverá continuar a manter-se dinâmico e ativo como tem sido. Eu fui católico e muito ativo no seu seio e há mais de 20 anos estou afastado, tendo entretando passado por muitas das demais 'capelinhas' (incluindo as ditas espiritualistas), só para sentir o ambiente. Agora o que sinto é uma imensa paz e serenidade por estar a 'navegar' numa outra onda, completamente e definivamente desligado de tudo quanto cheire a 'religião'. Mas o que me trouxe aqui, desta vez e aproveitando o título do post, foi dar-lhe conhecimento de alguém, italiano de origem, que se tem destacado ultimamente na 'dissecação' desse livro dito sagrado' Pode ser que já conheça, mas caso não aqui lhe deixo este link para o livro dele (o único por enquanto) editado aqui. Também o encontra na Amazon.
    https://www.livrariacultura.com.br/p/livros/religiao/cristianismo/catolicismo/a-biblia-nao-e-um-livro-sagrado-v1-46506602
    2
    Mas, já aí do vosso lado, felizmente, alguém empenhado está se dedicando a traduzir palestras e trabalhos desse autor, que cada vez mais está na boca do mundo, nesse campo específico.
    https://www.youtube.com/channel/UCt2_C7u3-KlIoOoD6leuJ2g/videos
    Desculpe o desabafo e continue sua 'cruzada' que, nesta fase do processo de limpeza cósmica em que todos estamos empenhados, duma maneira ou de outra, é bem importante e relevante.
    Saudações lusitanas dum ex-católico que nunca foi ateu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário