Pular para o conteúdo principal

Milícia cristã ataca base da ONU na República Centro-africana


Cristãos estão
matando civis
muçulmanos

A milícia cristã anti-balaka atacou no dia 3 de abril de 2018 uma base em Tagbara (República Centro-africana) [mapa] da força de paz da ONU, os soldados de capacete azul. 

Houve um combate sangrento, com mortes dos dois lados.

Os milicianos mataram um soldado da ONU e feriram outros 11.

A força da ONU matou 22 milicianos.

Os milicianos cristãos lutam contra o governo do muçulmano Michel Djotodia, que assumiu o poder em 2013.


“Anti-balaka” por ser entendido como “anti-Michel”. 

O nome do grupo cristão significa uma espécie de talismã contra as balas dos rifles AK-47 dos muçulmanos.

Os conflitos se acirram cada vez mais.

Agora, em Tagbara, após o combate, os capacetes azuis descobriram corpos de 21 civis, incluindo quatro mulheres e quatro crianças.

Em 2014, a Anistia Internacional já tinha alertado que os cristãos estavam massacrando civis muçulmanos indefesos, um genocídio.

Famílias estão saindo do país, em fuga.

Lideranças cristãs de países desenvolvidos têm ignorado os massacres.

Com informação de agências e de outras fontes e foto publicada originalmente no Wikipédia.


Pastor americano afirma que não existe muçulmano bom

Polônia está se tornando a pátria do fanatismo católico




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Ministro de Israel que disse ser o Covid-19 castigo divino contra gay pegou o vírus

Cristianismo é a religião que mais perseguiu o conhecimento científico