EUA condenam pastora a 99 anos de prisão por matar criança com jejum


Aracely Meza
tentou ressuscitar
o menino

A Justiça de Dallas (EUA) condenou a pastora evangélica Aracely Meza (foto), 52, a 99 anos de prisão pela morte de uma criança.

Em 2005, a sacerdote da Igreja Internacional Jesus é o Rei submeteu um menino de dois anos a jejum de 25 dias para exorcizá-lo de um demônio.
Benjamín Aparicio morreu de fome.


Zenon Aparicio e Liliana, pais do menino, acreditavam que ele, de fato, estava endemoniado, porque não dizia “amém” corretamente, entre outras desobediências.

A polícia começou a investigar o caso quando recebeu a denúncia de que a pastora Aracely e seguidores tinham celebrado um culto para a ressurreição de menino. Era o corpo de Benjamín.

O vídeo abaixo, postado no Youtube em 17 de abril de 2005, mostra Aracely orando com o menino nos braços, tentando reavivá-lo.

Os pais, mexicanos, levaram o corpo para seu país de origem.

Eles serão presos se voltarem para os Estados Unidos.


Com informação de sites americanos e foto de divulgação.


Quem quiser morrer pela 'cura' da fé que morra, não crianças



A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

-------- Busca neste site