Pular para o conteúdo principal

Arcebispo da Austrália acobertou pedófilo, acusa MP


Wilson teria comprado silêncio de
 uma testemunha por US$ 10 mil

O Ministério Público da Austrália denunciou o arcebispo de Adelaide, Philip Wilson (foto), 67, de ter pagado US$ 10 mil para calar uma mulher que acusava um padre da diocese de Newcastle de pedofilia contra um familiar.

Ele é o mais alto prelado católico no mundo todo a ser julgado por ocultação de abusos sexuais contra menores de idade por parte de sacerdotes e pode ser condenado a até dois anos de prisão.

Segundo a acusação, Wilson recebeu informações de que um padre de Newcastle, James Fletcher, morto tempos depois, havia violentado um menino de 10 anos na década de 1970.


A denúncia podia ter levado à abertura de um processo contra o sacerdote, mas o arcebispo não informou a polícia.

Em seu depoimento, a vítima, Peter Creigh, contou que relatara o caso a Wilson quando tinha 15 anos, mas o arcebispo falou para ele “se envergonhar por aquelas mentiras” e ordenou 10 Aves-Maria como penitência.

Para se livrar de uma condenação à prisão, Wilson apresentou à Justiça uma perícia médica de que ele não é “mentalmente hábil”, por sofrer do mal de Alzheimer.

Com informação das agências.





TJs da Austrália acobertaram mais de mil casos de pedofilia

Comentários

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil