Pular para o conteúdo principal

Marinha abre inscrição para contratar padres e pastores



A Marinha abriu inscrições para admitir quatro padres e dois pastores — um da Assembleia de Deus e outro da Igreja Batista.

O vencimento é de R$ 10.500 por mês e os sacerdotes têm hierarquia equivalente a primeiro-tenente.

A rigor, um país que diz ser laico não deveria contratar sacerdotes.

Além do mais, soldados que precisam de assistência espiritual podem muito bem procurar o templo de sua religião.

Forças Armadas de outros países também têm capelães. É uma história que vem de longe.

Em uma guerra, o sacerdote pode encorajar os soldados, com a promessa de que os bravos vão para os céus. Muita gente já acreditou nessa lorota e morreu por conta disso.

Como se sabe, religião e guerra sempre estão juntas.

Nos Estados Unidos, a transgressão ao Estado laico ocorre com isonomia.

Lá, na Força Aérea, por exemplo, há sacerdotes para crenças pagãs, druidas, wiccanas, bruxos e feiticeiros.

Há, também, conselheiros humanistas para os sem religião e ateus.

A Marinha do Brasil poderia pelo menos contratar alguém que incorporasse Iemanjá, a rainha dos mares (atenção leitor, isso é uma ironia).

Religião e guerra, sempre juntas

Com informação do jornal Extra.

Envio de correção



Apoio espiritual aos cadetes americanos inclui bruxaria


Comentários

Posts + acessados nos 30 dias mais recentes

Morre de Covid-19 pastor bolsonarista que defendia uso da cloroquina

Angolanos expulsam os pastores brasileiros de 30 templos da Universal

Edir Macedo amaldiçoa angolanos que expulsaram pastores brasileiros de templos

Hackers invadem conta de Malafaia e doam R$ 10 mil à Cruz Vermelha

Bispo Edir Macedo é internado com suspeita de estar com Covid-19