Comemoração da Páscoa é mais uma farsa do cristianismo; vem da mitologia anglo-saxã

> PAULO LOPES
jornalista

O judaísmo e, depois, o cristianismo roubaram a Páscoa da mitologia anglo-saxã.

Nenhum rabino ou padre tem coragem de dizer a verdade aos fiéis: a Páscoa vem da Ostara (ou Eostre ou ainda Ēostre).

Trata-se de uma festa da Deusa da Aurora, que celebrava a fertilidade e o renascimento.

Os antigos povos nórdicos comemoravam com lebres e ovos coloridos o Festival de Eostre no dia 30 de março.

Como não conseguiram acabar com essa festividade, os cristãos primitivos criaram uma historinha para justificá-la. Inventaram que a Páscoa marca a ressurreição de Jesus. A ressurreição, aliás, é muito mal contada na Bíblia, porque há contradições.

A incorporação da Festa de Ostara é mais um indício de que o Jesus histórico não existiu. Ele foi mesmo uma construção cultural, como defendem historiadores.

O espantoso é que dois mil anos depois ainda há pessoas que acreditam piamente na farsa da ressurreição, apesar da abundância de informações sobre as mitologias e a facilidade de acessá-las pela internet.

Talvez porque que as pessoas gostam de ser enganadas, desde que isso ajude a suportar o fardo da vida.

Aurora, deusa
do renascimento



Paulo não reconheceu o nascimento virginal de Jesus




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Artista gospel se recusa a cantar em casamento de amigo gay

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Historiadora diz que Moisés não existiu. E sofre ameaças de morte