Senador acusa livro infantil de promover culto ao satanismo



O senador Wilder Morais (PP-GO) acusou o livro infantil “A máquina de Brincar”, de Paulo Bentancur, de promover “culto ao satanismo”.

Livro brinca
com ideia do
bem e do mal

Distribuído às escolas públicas, o livro foi escrito em forma de poema.

Ele ressalta o lado bom do diabo e o ruim de Deus, de acordo com seu autor.

Trata-se de uma brincadeira que procura cultivar o senso crítico das crianças.

Para Morais, contudo, o livro é uma blasfêmia porque chama o diabo de “amigo” e zomba de religiosos.

O senador tenta, assim, surfar em uma controvérsia antiga, de 2014, quando pais criticaram o “livro satanista”.

Os 59 anos, o escritor e crítico literário gaúcho Paulo Bentancur (na foto abaixo) morreu no Rio de Janeiro no dia 28 de agosto de 2016 de ataque cardíaco.

No auge da controvérsia, ele tinha dito que o seu livro estava sendo alvo de fanáticos religiosos.

Bentancur foi um ateu assumido.

Ele não acreditava, portanto, em Deus nem no Satanás.

O que demonstra que o senador Morais não se informa sequer para defender a censura de um livro.

Betancur não acreditava em diabo
Com informação da Agência Senado e foto de divulgação.

Envio de correção.


Deputado evangélico acusa Mickey de ser homossexual


EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diario Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.