Pular para o conteúdo principal

Pai religioso vai assumir ativismo de filho morto por ser ateu


Hameed: 'Vou fazer o que ele fazia'

O indiano Hameed (foto), 54, disse que, embora seja muçulmano, vai assumir o ativismo de seu filho, se for confirmado que H. Farook, 31, morreu por ser ateu.

O filho mais velho de Hameed foi assassinado a facadas na noite de 16 de março de 2017 na cidade de Coimbatore.

De acordo com a polícia, os assassinos são muçulmanos que se incomodavam com as mensagens antirreligiosas de Farook,

O jovem era filiado ao movimento "Dravidar Viduthalai Kazhagam", que defende o racionalismo, autorrespeito, direitos das mulheres e o fim do sistema de castas.

Hameed disse que vai se associar a esse movimento.

“Se mataram meu filho por ser ateu, vou me juntar a sua organização e fazer o que ele fazia”, disse.

"Para meu filho, eu era o melhor amigo dele."

Hameed afirmou que Farook levava muito a sério a sua militância ateísta, a ponto de não comparecer a reuniões religiosas da família.

“Mas ele nunca impôs seu ponto de vista às pessoas, nem sequer a sua esposa.”


Envio de correção.

Na Índia, bebê com deformidade é adorado como se fosse deus

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios