Pular para o conteúdo principal

Vítimas de padres pedófilos da Austrália recebem US$ 276 mi



do site Religión Digital

A Igreja católica australiana pagou mais de 213 milhões de dólares americanos (ou 200 milhões de euros) às vítimas de padres pedófilos em resposta às denúncias feitas entre 1980 e 2015.

A informação é de Gail Furness, a advogada conselheira da comissão governamental que estuda a adoção de medidas institucionais contra os abusos sexuais de crianças em organizações públicas, sociais e religiosas.

Cerca de 4.500 pessoas apresentaram queixas por supostos incidentes de abusos sexuais, embora alguns dos crimes remontem ao início da década de 1920, de acordo com a cadeia local ABC.

Furness explicou que os pagamentos abrangem indenizações, tratamentos e custos legais, entre outros.

A média dos pagamentos foi de 66 mil euros por caso.

O Irmãos Cristãos arcaram com a maior quantidade de desembolsos.

“Essa ordem fez 763 pagamentos, que totalizam cerca de 35 milhões de euros”, disse Furness.

Em 2016, a comissão apresentou 99 recomendações às autoridades sobre como atender as vítimas, além de um plano de compensações de 4 bilhões de dólares australianos (cerca de 2,8 milhões de euros) financiado pelos centros nos quais foram praticados os abusos.

Comissão governamental investiga
 abusos sexuais na Igreja Católica

Com tradução de André Langer para IHU Online. A foto acima é uma montagem meramente ilustrativa.

Envio de correção.



Morre padre brasileiro citado no filme da pedofilia na Igreja

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m