Pular para o conteúdo principal

Jesus matou três meninos, afirma evangelho apócrifo

O Novo Testamento nada diz sobre a infância, adolescência e parte da vida adulta de Jesus, mas o evangelho apócrifo de Tomé faz algumas revelações.

Revelações tenebrosas.

EVANGELHO APÓCRIFO DE
TOMÉ REVELA UM JESUS 
QUE FOI PERVERSO NA INFÂNCIA

Por esses relatos, que eram tidos como verdade pelos cristãos primitivos, o adolescente Jesus, à época no Egito, irritava-se facilmente com todo mundo, tinha mania de grandeza, e usou seus superpoderes para matar três meninos, entre outras perversidades.

Uma das vítimas foi o filho do escriba Anás. O menino cometeu o erro fatal de destruir uma pequena represa feita pelo filho de Deus.

Furioso, Jesus disse:

“Tolo injusto e irreverente! O que as poças d’água fizeram para te irritar? Eis que agora também tu secarás como uma árvore, e nunca terás nem folha, nem raiz, nem fruta’.

E o menino secou.


Outro caso foi o do garoto que sem querer esbarrou em Jesus, que disse: “Não seguirás mais o teu caminho”.

E o garoto caiu duro.

Os pais da vítima reclamaram com José e Maria, para, se supõe, dizer coisas assim.

“Assim não dá, o seu filho é um assassino!”

Ao saber da reclamação, Jesus cegou os pais da vítima.

José teria dito a Maria: “Daqui por diante não podemos deixar Jesus sair de casa, porque qualquer um que se oponha a ele é morto por suas maldições”.




Não há registro histórico da existência de Jesus, afirma Bart Ehrman

Bíblia mostra que Jesus pregou também o ódio ao próximo

Estudo da Bíblia revela indícios de que Jesus era analfabeto

Christopher Hitchens afirma que Jesus supera Deus em crueldade



Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Ministro de Israel que disse ser o Covid-19 castigo divino contra gay pegou o vírus

Cristianismo é a religião que mais perseguiu o conhecimento científico

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays