Pular para o conteúdo principal

Brasil é um país difícil para os ateus, afirma o ator Duvivier


'Somos de fato
uma minoria
bem pequena'

O ator Gregorio Duvivier (foto) cresceu em uma família que não lhe impôs nenhuma formação religiosa e, por isso, ele nunca teve problema em casa quando se assumiu como ateu.

Mesmo assim ele reconhece que a sociedade brasileira rejeita fortemente quem não acredita em Deus.

"O Brasil é um país difícil para os ateus porque nós somos uma minoria realmente pequena", diz ele ao Uol.

"Se você não acreditar em Deus, você tem o demônio no corpo."


Duvivier é um dos fundadores do portal de humor no Youtube "Porta dos Fundos", que satiriza com frequência o cristianismo.

Ele diz que, além de as pessoas terem dificuldade de entender quem não professa nenhuma fé, há brasileiros que têm várias religiões.

“[É um país] onde acreditar em qualquer coisa parece mais sensato do que não acreditar em nada.”

Com informação do Uol e foto de divulgação.


Humor de Porchat detona o dogmatismo de religiões cristãs

Neurocientista Suzana diz sofrer discriminação por ser ateia

Ateia, Malu Mader afirma ter inveja de que tem fé




Lições de mortalidade que recebi do meu pai, Carl Sagan

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios