Pular para o conteúdo principal

Alckmin dá à escola nome de pastor que apoiou a ditadura

Por decreto e para agradar evangélicos, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), de São Paulo, deu o nome de "Pastor Enéas Tognini" (foto) à Fatec (Faculdade de Tecnologia) Ipiranga, na zona sul da capital paulista.

Tognini nunca
se arrependeu
de seu apoio
A comunidade acadêmica não gostou porque, entre outros motivos, Tognini foi um defensor da ditadura militar brasileira (1964-1985)
O pastor morreu em 2015.

Nos anos 1960 ele manifestou abertamente simpatia pelo regime militar.

Tognini nunca se arrependeu de seu apoio, apesar das mazelas do regime militar, como a tortura de seus opositores.

Ele se justificava dizendo que os militares livraram o Brasil do comunismo.

Alckmin é católico e tem o apoio da ala mais conservadora da Igreja.

Com informação do Uol.

Envio de correção.

Grupo de discussão no WhatsApp.


Pastor torturava à noite presos da ditadura e de dia orava


Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos