Pular para o conteúdo principal

Igrejas evangélicas se alastram por toda a América Latina



por Geraldine Colotti
para Il Manifesto

Carlos Mariátegui, o grande pensador marxista peruano que considerava concluído o ciclo de crescimento do protestantismo na América Latina ainda em 1928, errou de prognóstico. Hoje, é de religião evangélica cerca de 20% do continente, em comparação com 69% dos católicos.

Em 1900, os protestantes eram cerca de 50.000: apenas 1% da América Latina, enquanto 94% eram católicos. Em 1930, eles tinham se tornado um milhão, 50 milhões nos anos 1980. E, no ano 2000, subiram para cerca de 100 milhões.

O Paraguai é o país com menos evangélicos (cerca de 8%); o Brasil, aquele onde a proporção é mais alta, e a influência conservadora das Igrejas pentecostais e neopentecostais é mais forte.

Brasil é o país mais evangélico na região

Percebe-se isso durante as campanhas eleitorais e nas escolhas políticas dos candidatos, na economia e na comunicação.

No Brasil, gays e lésbicas podem se casar desde maio de 2013, por decisão do Supremo Tribunal Federal. E o casamento igualitário foi o principal cavalo de batalha das poderosas Igrejas pentecostais, assumido pela candidata anti-Dilma Rousseff Marina Silva, em 2014.

Uma investigação do Le Monde Diplomatique destacou os termos dessa poderosa força sociopolítica, que, em apenas 40 anos, passou de 5% para 22% dos fiéis.

O coração do seu poder reside no Congresso. Toda quarta-feira, os deputados se reúnem para orar em uma sala plenária do Congresso, entoando hinos e jaculatórias. Durante o impeachment de Dilma, eles animaram uma vergonhosa algazarra machista e reacionária, em nome de "Deus, pátria e família".

O sistema político brasileiro, além da extrema fragmentação, também tem a particularidade de premiar as pessoas famosas, que consentem com a formação que os candidata a obter mais cadeiras no cômputo final. E os pregadores são os preferidos. Em 2010, o deputado federal mais votado do país foi o "palhaço Tiririca".

Com 123 milhões de fiéis, o Brasil continua sendo o primeiro país católico do mundo. Até 2030, as duas religiões, porém, estarão no mesmo patamar.

Essa é uma versão resumida do texto. A tradução é de Moisés Sbardelotto para IHU Online.




97% dos brasileiros afirmam acreditar em Deus

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m