Pular para o conteúdo principal

AGU dá parecer contra pastores com passaporte diplomático

Ao responder uma consulta do Itamaraty, a AGU (Advogacia-Geral da União) deu parecer contra a concessão de passaporte diplomático a pastores, porque eles não representam o “interesse nacional” no Exterior, que era o argumento que justificava o benefício.

Advogacia-Geral diz que
 pastores não representam
interesse do país
“A condição de 'líder religioso', por si só, não indica 'interesse do país' (...)”, diz o parecer.

Na prática, isso significa que o Itamaraty terá de cancelar onze passaportes de posse de religiosos (evangélicos e católicos), que foram concedidos desde 2011.

Portadores de passaportes diplomáticos têm prioridade no despacho e retirada de bagagens e são dispensados de enfrentar filas nos aeroportos.

A AGU aprontou o seu parecer quinze dias após a Justiça Federal em São Paulo ter emitido uma liminar suspendendo a concessão do passaporte especial a R.R. Soares, chefe da Igreja Internacional da Graça de Deus, a sua mulher, Maria Magdalena.

A concessão desse privilégio aos religiosos sempre desagradou à opinião pública, ainda mais quando o ministro José Serra (Exterior), ao aplicar a isonomia, premiou com o passaporte um envolvido na Operação Lava Jato, o pastor Samuel Cássio Ferreira, da Assembleia de Deus.

Com informação de Lauro Jardim e do site Congresso em Foco.

Justiça Federal cassa passaporte diplomático do pastor RR Soares



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m