Pular para o conteúdo principal

Advogado pede cassação de passaporte especial de pastor

O advogado Ricardo Amin Abrahão Nacle, de São Paulo, deu entrada na Justiça Federal a uma ação popular pedindo a cassação da emissão de passaporte diplomático ao pastor Samuel Cássio Ferreira (foto), da Assembleia de Deus.

Pastor Ferreira
é investigado
pela Lava Jato
A expedição do documento ocorreu na quarta-feira (18/5) por intermédio de uma portaria assinada pelo ministro José Serra (Exterior), do PSDB.

Nacle argumentou que, pelo decreto 5.978/2006, o passaporte diplomático só pode ser concedido a quem “exerce função ou missão de interesse do país”, e esse não é o caso do pastor Ferreira.

Para o advogado, a portaria deveria deixar claro o motivo da concessão do documento, porque “passaporte diplomático não é brinde cuja distribuição opera-se aleatoriamente, ou então, sob justificativa da genérica e abstrata expressão ‘interesse do país’”.

Ferreira está sendo investigado pela força tarefa Lava Jato sob a suspeita de ter lavado R$ 250 mil ao deputado Eduardo Cunha (PMDB).

Com informação da petição inicial.






Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m