Pular para o conteúdo principal

Existência do mal descarta a existência de Deus, diz filósofo



da Livraria Folha

Há muitas respostas teístas ao problema do mal. Alguns argumentam que a existência do mal é de alguma forma necessária, uma parte crucial do plano divino de Deus. Outros frisam que alguns males avassaladores são um teste no qual estamos fadados a fracassar. É o que afirma o filósofo americano James Garvey em "Filosofia".

Epicuro teria sido
autor da questão
Deus versus Mal
Ele escreve que é possível chegar à conclusão de que a existência do mal é incompatível com a existência de um Deus onisciente, onipotente e onibenevolente.

"Se algo deve ser rejeitado, é a existência de Deus, pois o que não podemos negar é o fato de que existe mal no mundo".

Garvey explica que a primeira formulação sobre "o problema do mal" para o teísmo provavelmente foi de autoria de Epicuro, um filósofo da Grécia antiga.

Embora seja impossível saber exatamente o que Epicuro disse, ele não estava exatamente argumentando pelo ateísmo.

"Seu objetivo geral era eliminar o medo das vidas humanas, e uma grande fonte de temor à sua época era o medo dos deuses. Você nunca sabia se estava na sua hora de receber um belo castigo. Mas, dada a existência do mal (ou melhor, do mal imerecido), parecia que os deuses não tinham muito a fazer com as vidas humanas".

Seguindo esta lógica, é possível concluir que ou os deuses querem fazer algo a respeito do mal e não podem, ou eles podem e não fazem. "Desse modo, ou eles são impotentes, portanto nada com o que devamos nos preocupar, ou perversos, e portanto não são realmente deuses".

"Filosofia" traz as respostas para perguntas sobre as mais importantes teorias da área, explicadas de modo acessível e fácil de entender. Editado por Barry Loewer, chefe do Departamento de Filosofia da Rutgers University, nos Estados Unidos, o livro faz parte de uma série publicada pela Publifolha cujos outros volumes são "Arquitetura","Matemática" e "Psicologia".



Professor de filosofia escreve ‘Manual para criação de ateus’

Comentários

Deus é um ser imaginário da mesma natureza dos outros deuses, divindades, santos, etc. Num certo momento histórico os judeus, que até então eram politeístas, adotaram o Deus Único como forma de se aglutinarem e afastar os conflitos entre suas tribos. As dezenas de deuses mencionados na Bíblia comprovam o politeísmo judaico. Todos os salvadores, messias, profetas e pregadores são os precursores dos atuais exploradores de nossa credulidade. Ainda assim, afastar de nossas mentes o Deus herdado desde o colo da mãe é uma tarefa impossível para muitos.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios