Pular para o conteúdo principal

Ateus podem mover mais montanhas que a fé, afirma Charlie Hebdo


'Crente fanático
jamais esquece
afronta a sua fé'
[notícia]

por Antagonistas

A capa do jornal Charlie Hebdo, um ano depois dos atentados de 7 de janeiro, publicada ontem pelo Antagonista mostra Deus -- o Deus de todas as grandes religiões monoteístas --, com uma Kalashnikov a tiracolo, barba, mãos e pés com marcas de sangue, sob o seguinte título: "Um ano depois, o assassino ainda está solto".

O diretor do jornal, Laurent Sourisseau, conhecido como Riss, assina um editorial forte, alguns definiram raivoso, em que defende a laicidade, contra os "fanáticos embrutecidos pelo Corão e os carolas de outras religiões que desejaram a morte do jornal por ousar rir das religiões".

Riss escreve que "as convicções dos ateus e dos laicos podem mover ainda mais montanhas que a fé dos crentes (...) Em 2006, quando Charlie publicou as caricaturas de Maomé, ninguém pensava seriamente que um dia tudo acabaria em violência. (...) Víamos a França como uma ilhota laica, onde era possível brincar, desenhar, rir, sem se preocupar com dogmas, com iluminados."


E continua no ataque:

"Desde essa época, muitos esperavam que um dia alguém viesse nos colocar no nosso devido lugar. Sim, muitos esperavam que nos matassem. MA-TAS-SEM. No início de cada ano, nós nos maravilhávamos de ainda estarmos vivos.

Um mês antes de 7 de janeiro, eu perguntei a Charb se a sua proteção ainda tinha sentido. As histórias das caricaturas, tudo isso havia passado (...) Mas um crente, sobretudo fanático, não esquece jamais a afronta feita à sua fé, pois ele tem atrás de si a eternidade (...) Foi a eternidade que caiu em cima de nós naquela quarta-feira, 7 de janeiro."

Riss relata que "Naquela manhã, depois do barulho ensurdecedor de sessenta tiros em três minutos na redação, um imenso silêncio invadiu o lugar. Eu esperava ouvir lamentos, gemidos. Mas não, nenhum som. O silêncio me fez entender que eles estavam mortos. E quando, enfim, um bombeiro me ajudou a me levantar, e depois de passar por cima de Charb, estendido ao meu lado, eu me proibi de olhar para trás, para não ver os mortos de Charlie. Para não ver a morte de Charlie".

E ele termina:

"Como fazer o jornal depois de tudo isso? O que nos dá garra é tudo o que vivemos ao longo de vinte e três anos. Não são dois pequenos idiotas mascarados que vão jogar fora o trabalho de nossas vidas. Não serão eles a assistir à morte de Charlie. Será Charlie a vê-los morrer."





Diretor do 'Charlie' diz que atentado reforçou seu ateísmo

Jornais se recusam a publicar o cartoon ‘Onde está Maomé?’

TJ confirma decisão que exclui Lutadores da Fé dos games do UOL



Revista Charlie Hebdo desenha Maomé em cadeira de rodas

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal