Pular para o conteúdo principal

231 crianças de coro católico alemão teriam sofrido abuso

do Sun Herald

Mais de 200 crianças podem ter sido abusadas, algumas delas sexualmente, por adultos que trabalharam num coro infantil católico no sul da Alemanha, disse no dia 8 de janeiro de 2016 um advogado encarregado de investigar as alegações.

Ratzinger,
irmão do papa,
era o maestro
Ulrich Weber afirmou que as 231 supostas vítimas incluem 50 que fizeram acusações “plausíveis” de abuso sexual no coro de meninos Regensburger Domspatzen e em duas escolas associadas entre os anos de 1953 e 1992.

Weber, contratado pela Diocese de Regensburg, disse que o ex-maestro do Domspatzen, Georg Ratzinger (foto), deve ter conhecimento de, pelo menos, alguns dos abusos. Ratzinger, o irmão mais velho do papa emérito Bento XVI, já havia anteriormente negado saber dos incidentes.

As acusações de abuso em questão vieram à tona a alguns anos atrás, numa época em que a forma de lidar da Igreja Católica com casos do tipo estava sendo amplamente investigada após uma série de acusações que envolveram pessoas do alto escalão da Igreja na Europa e nos EUA.

Weber disse ainda que a sua investigação, que durou oito meses, contou com entrevistas com mais de 140 pessoas, incluindo 70 supostas vítimas. Ele concluiu que quase um terço de todas as crianças das duas principais escolas que cediam cantores para o coral, uma em Etterzhausen e a outra em Pielenhofen, sofreu alguma forma de abuso.

Segundo ele, as investidas sexuais iam desde carícias até o estupro.

“Os eventos eram conhecidos internamente e foram criticados, mas não tiveram quase nenhuma consequência”, acrescentou o advogado.

Hoje, a maior parte dos supostos crimes ultrapassou o estatuto das limitações, estando prescritos para queixas criminais.

A diocese publicou um relatório provisório em seu sítio eletrônico também no dia 8 de janeiro, juntamente com um sermão dado a um ano atrás por Dom Rudolf Voderholzer em que manifestava tristeza pelos abusos que as crianças supostamente sofreram.

A diocese havia anteriormente oferecido pagar 2.500 euros em danos a cada uma das vítimas.

Com tradução de Isaque Gomes Correa para IHU Online,





Meninos do coro do irmão do papa foram vítimas de abuso

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m