Pular para o conteúdo principal

Pra que rezar por Paris se Deus já atendeu à oração do terror?

Muçulmanos e cristãos
têm o mesmo Deus
por Michael Stone
para Progressive Secular Humanist

Enquanto alguns rezam por Paris após o ataque, as orações dos terroristas e de seus simpatizantes já foram atendidas.

Para os terroristas islâmicos e aqueles muçulmanos que o apoiam, a morte e destruição em Paris são uma resposta às suas orações, e servem como validação da sua fé.

Os cristãos e os muçulmanos moderados que estão orando pelas vítimas dos ataques terroristas o fazem para o mesmo Deus, o Deus de Abraão, dos terroristas e seus simpatizantes.

Ou Deus ajudou os terroristas a matarem e mutilarem centenas de inocentes; ou Deus viu tudo e nada fez.

A verdade desconfortável é que Deus não existe, e as orações por Paris são gestos inúteis de pessoas confusas e desesperadas.

As orações são masturbações espirituais: elas podem fazer as pessoas se sentirem um pouco melhor, mas não contribuem em nada para a mudança no mundo real.

Orações são as consequências de crenças irracionais, e são crenças irracionais que permitem que as pessoas façam coisas irracionais, como matar em nome de um deus.

Orações não são a resposta. Elas são o problema.

Em vez de rezar, precisamos permanecer firmes contra o extremismo religioso. Para desafiar os terroristas devemos abraçar a nossa humanidade. Temos de superar as superstições religiosas que nos dividem. .

Devemos estar dispostos a enfrentar o desafio do extremismo islâmico, sem demonizar os muçulmanos individualmente, e sem fazer concessões ao horror e terror cometidos em nome do Islã.

Nós devemos transcender a esse ódio.





Veja os trechos do Alcorão que inspiram o terrorismo islâmico

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa