Pular para o conteúdo principal

Igreja manda para Brasil padre acusado de pedofilia na Bélgica

Ministério Público
brasileiro investiga
Jan Van Dael
O site independente americano GlobalPost descobriu os nomes de cinco padres acusados de pedofilia nos Estados Unidos e Europa os quais a Igreja enviou para a América do Sul, em uma tentativa de protegê-los do alcance da lei. Eles continuam exercendo atividades sacerdotais.

Um exemplo é o belga Jan Van Dael (foto), 76, acusado em seu país de molestar crianças. Nos anos 80, a Igreja o enviou para o Rio de Janeiro, onde ele se desentendeu com a Cúria. Após o mandou para o Nordeste brasileiro. Atualmente ele cuida de um orfanato de crianças de rua.

Há suspeitas de que o padre também esteja abusando de crianças brasileiras.

GlobalPost informou que o orfanato de Dael fica em Caucaia (CE), a 16,5 km de Fortaleza, a capital. A cidade tem cerca de 330 mil habitantes.

Em 2014, no documentário “As crianças do padre Jan”, uma TV holandesa entrevistou dois homens que acusam Dael de tê-los acariciados no início dos anos 1970, em um acampamento de jovens da Igreja.

O Ministério Público do Ceará afirmou à emissora que nos últimos dez anos tem havido denúncias de abuso sexual contra Dael. As denúncias, contudo, são anônimas.

No documentário, Talmom de Oliveira Lima disse que um seu irmão, que esteve no orfanato quando estava com 8 anos idade, disse “que o padre se aproveitava das crianças, que ele [Dael] se trancava no quarto com as crianças”.

Todos sabiam o que acontecia, mas ninguém tinha coragem de denunciar Dael porque as crianças “dependiam do padre, moravam lá”, afirmou Lima.

Em um vídeo [ver abaixo], o padre nega ser um abusador e admite ser pedófilo, mas de acordo com o sentido estrito da palavra “pedofilia”: amor às crianças.

 Amor às criancinhas

 


Caucaia fica perto de Fortaleza

Com informação do GlobalPost e do documentário The Children of pastor Jan.





Bispo culpa crianças por serem violentadas por padres

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m