Pular para o conteúdo principal

Stephen Hawking nega que no passado tenha acreditado em Deus


Stephen Hawking
Cientista se refere a
'Deus' em em seus livros
apenas como metáfora

Em entrevista ao jornal espanhol El País, o cientista britânico Stephen Hawking (foto) negou que no passado tenha acreditado em Deus. “Eu sou ateu”, disse. “Não há nenhum Deus. A religião crê nos milagres, mas estes não são compatíveis com a ciência.”

Afirmou que quando disse que a humanidade um dia vai conhecer a “mente de Deus” estava se referindo a tudo do que Deus seria capaz se existisse.

Em seus livros, usa com frequência a palavra “Deus”, mas, tem explicado, trata-se de uma metáfora.

“No passado, antes de entendermos a ciência, era lógico crer que Deus criou o Universo. Mas agora a ciência oferece uma explicação mais convincente. “

Hawking é doutor em cosmologia. Nasceu em Oxford em 8 de janeiro de 1942.


Ele sofre da doença degenerativa ELA (esclerose lateral amiotrófica), que o mantém permanentemente em uma cadeira de rodas e o obriga a se comunicar por intermédio de um sintetizador computadorizado. Casou-se duas vezes e tem três filhos e um neto.

O cientista é estudioso da física quântica. Com dois colegas, propôs quatro leis da mecânica de buraco negro.

Hawking é também um divulgador da ciência em livros, jornais e emissoras de TV. É autor do best-seller “Breve História do Tempo”. A organização SuperScholar o considera como a pessoas mais inteligentes da atualidade.

Bem humorado, como de costume, na entrevista ao El País disse ter uma “fé inquebrantável”, mas na ciência, não em divindades.

“Creio que a ciência conseguirá entender a origem da estrutura do universo”, afirmou. “Aliás, estamos perto de conseguir este objetivo.”

Para ele, “não há nenhum aspecto da realidade fora do alcance da mente humana”.

Afirmou que os investimentos em ciência e na exploração de novos planetas representam “um seguro de vida para a espécie humana”, que, assim, poderá evitar o seu desaparecimento da Terra.

Com informação do El País.




Cientista brilhante, Stephen Hawking morre aos 76 anos

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios